O fato inusitado, que seria cômico se não fosse, na realidade, um tremendo golpe diante das regras legais da venda de um produto ou prestação de serviços, aconteceu na cidade de Caçapava, situada a aproximadamente a 109 quilômetros da cidade de São Paulo, mais especificamente na região do Vale do Paraíba. O que aconteceu de fato é que as autoridades policiais locais foram acionadas para prestar atendimento a estranha ocorrência em que um casal de Caçapava tinha ido a um posto de combustível com o objetivo claro de abastecer o automóvel. 

O que a princípio poderia ser um fato comum no cotidiano do posto de combustíveis, começou a causar estranheza, porque assim que o frentista encheu por completo o tanque do carro, resultando em um valor a ser pago de R$ 115,  um  casal, que não teve a identidade revelada, quis pagar a conta com um simples pedaço de papel totalmente em branco. 

Por mais esdrúxula que possa parecer a situação, as duas pessoas no interior do carro falaram ao empregado do posto que aquele pedaço de papel tinha sido ungido de modo milagroso por uma determinada igreja e o valor da folha em branco equivaleria a R$ 100.

Publicidade
Publicidade

Obviamente que o empregado estava no local a trabalho e não por diversão, chamou o gerente do estabelecimento comercial, que recusou veemente o papel como pagamento e acionou  os policiais da cidade do interior paulista. 

Através de um vídeo que acabou caindo na rede virtual, os policiais de que atenderam a ocorrência solicitam ao casal que esse realize o pagamento pelo combustível adquirido, com dinheiro corrente e de verdade. Tanto é assim que um dos policiais ainda se dá ao trabalho de perguntar aos clientes o seguinte: “isso aqui é o dinheiro?” Por sua vez a mulher de dentro do automóvel respondeu de forma sonora que “sim, é dinheiro”. 

O desfecho da história hilária não poderia ter sido outro, pois a autoridade policial faz o questionamento: “vocês estão com algum problema psicológico?”.

Publicidade

Como a situação tendia a não ter um desfecho adequado para nenhuma das partes envolvidas, o agente foi taxativo quando se dirigiu novamente ao casal, dizendo que se em um prazo de 10 minutos a folha de papel em branco não se transformasse em R$ 100, a mulher seria conduzida presa ao departamento policial. 

A conclusão da ocorrência foi que o funcionário do estabelecimento se viu forçado a retirar o combustível introduzido anteriormente no veículo, uma vez que o milagre não funcionou, pelo menos não dessa vez, e o papel em branco continuou sendo só um papel em branco, sem valor algum. Quanto ao casal, depois de tudo isso, o mesmo foi liberado pela polícia. #Religião #Crime #Casos de polícia