Uma polêmica está envolvendo uma das escolas mais tradicionais do Rio de Janeiro, o Colégio Pedro II. De acordo com informações do jornal 'O Globo' em reportagem publicada nesta segunda-feira, 19, a unidade decidiu acabar com a diferenciação de uniformes para meninos e meninas. Agora, as garotas podem ir de calças e os meninos de saias. A mudança já havia sido antecipada pelo colunista Ancelmo Gois. A novidade já está valendo desde o dia 14 de setembro e está em uma resolução. O reitor na unidade, Oscar Halac, explicou que quem tem que se identificar com o gênero das roupas são os próprios alunos.

O caso criou uma enorme polêmica.

Publicidade
Publicidade

Isso porque a escola só mudou as normas depois que os alunos protestaram pelo direito de se vestirem das duas maneiras. Antes, as meninas somente podiam ir usando saias e meias arrastões. Agora elas podem usar as calças. A maior polêmica mesmo gira em torno dos meninos, que agora podem aparecer com as pernas à mostra, com saias ao estilo colegial. Segundo o reitor, a medida ajuda os estudantes a não sofrerem imposições da sociedade. No entanto, pais e comunidade local não param de criticar a novidade e acham que tudo virou uma grande bagunça.

"Isso é um absurdo, não somente pela roupa, mas no meu tempo a gente reivindicava uma #Educação melhor, livros, professores, uma reforma, não deixar homens usarem sais e ficarem com o pênis para lá e para cá", disse um carioca em uma rede social ao compartilhar a informação de uma das maiores mudanças do Pedro II desde a sua criação.

Publicidade

Os meninos alegam que no calor usar saias é uma ótima opção, pois permite uma melhor ventilação, deixando tudo mais fresco. 

"Procuramos de alguma maneira contribuir para que não haja sofrimento desnecessário", disse o reitor. Antes da mudança, houve a discussão do assunto entre as várias partes interessadas. Além disso, o uniforme de educação física também passa a ser permitido durante todo o verão em qualquer aula. Os protestos começaram ainda em 2014, quando estudantes decidiram apoiar um colega transexual.  #É Manchete!