Neste sábado (3), por volta das 13h, na cidade de Sorriso, a 400 km de Cuiabá (MT), aconteceu mais um #Crime brutal. Dessa vez a vítima foi identificada como Antônio Bezerra da Silva, 30 anos. A vítima estava trabalhando em uma residência, na sua São João, no Bairro Village, um bairro de alto padrão na cidade de Sorriso.

Segundo informações de testemunha, Antônio e seu colega de trabalho estavam montando um portão em uma residência, quando um homem ainda não identificado entrou na residência onde a vítima prestava serviço e já foi atirando. Segundo o colega que estava trabalhando com Antônio, a vítima levou um tiro no peito, quando estava dentro da residência.

Publicidade
Publicidade

Ele correu para fora já cambaleando e o criminoso veio atrás efetuando mais tiros contra a vítima, que caiu no chão.

Segundo a testemunha, a vítima levou de três a quatro tiros de arma de fogo. O criminoso ainda disse à testemunha que era pra ele ficar quieto no seu lugar, pois não era nada com ele. O autor do crime saiu caminhando normalmente, como se nada tivesse acontecido e entrou em um carro branco da marca Chevrolet, que se encontrava estacionado em uma esquina próximo ao local do crime.

A vítima levou um tiro no peito e outro na cabeça. Foi socorrido em estado grave e e levado para o Hospital Regional de Sorriso (HRS), morrendo assim que deu entrada no pronto socorro. A Polícia Militar foi acionada, esteve no local e fez uma ronda na cidade, mas até no momento não tem pista do autor do assassinato.

Publicidade

Segundo a testemunha, Antônio trabalhava em uma vidraçaria e depois do expediente tinha lhe convidado para fazer um bico na montagem do portão, e relata que seu amigo não tinha nenhum problema ou rixa, que pudesse levar ao seu assassinato.

Segundo informações da Polícia Civil da cidade de Sorriso, a principal linha de investigação será de uma execução, mas nada confirmado até agora. Segundo o delegado, a polícia está atrás de câmeras de segurança a fim de encontrar imagens do autor do crime para tomar todas as medidas possíveis para capturar e prender o acusado.  #Investigação Criminal #Casos de polícia