Apesar de ser denominado gratuito, o horário eleitoral possui um custo para ser veiculado, que é pago por contribuintes e empresas de rádio e TV. 

Por lei, as emissoras devem receber um abatimento fiscal equivalente a parte do valor que elas arrecadariam com a comercialização do espaço na grade cedido para as eleições. Segundo apuração da ONG Contas Abertas, a Receita Federal prevê uma isenção de R$ 576 milhões em impostos para as #Eleições 2016. O valor equivale à contribuição de R$ 2,80 por cidadão, mas só deverá ser conhecido com exatidão ao fim da disputa eleitoral, quando seu cálculo final será realizado. Mesmo com o abatimento nos impostos, cada emissora ainda arca com cerca de 20% do valor que deixou de ganhar por ceder o espaço em sua grade para a campanha eleitoral.

Publicidade
Publicidade

Em 2015, a lei eleitoral passou por mudanças, resultando em uma modificação na realização das campanhas das eleições deste ano. Com isso, o período de propaganda obrigatória antes da votação teve uma redução de 45 para 35 dias e o tempo de inserções diárias aumentou de 30 para 70 minutos. Assim, reduziu-se aproximadamente 10 horas no tempo total utilizado pela propaganda eleitoral. Já a divisão de tempo entre os partidos é definida com base na representatividade das legendas na Câmara dos Deputados. #Eleições 2016