Nesta quarta-feira, 31 de agosto, o Brasil viveu um dos momentos mais importantes de sua história recente, a ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT), foi deposta. Muitos petistas decidiram ir às ruas contra o #Impeachment e também o novo presidente do país, Michel Temer, do PMDB. Uma dessas pessoas é a estudante mineira Deborah Fabri, de 19 anos. O protesto para ela será inesquecível, pois não terminou bem. Deborah foi atingia por bombas estilhaçadas por policiais e ficou cega do olho esquerdo. É a terceira vez em cerca de três anos que pessoas perdem a visão durante manifestações a a ação de policiais. 

É bom lembrar que a polícia agiu porque a manifestação não foi pacífica.

Publicidade
Publicidade

Fogo foi colocado em barricadas, além de lojas e bancos que acabaram sendo quebrados por black blocks. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo disse que apesar da ação aparentemente ter sido normal, ela será investigada. No entanto, revela que a jovem que teria ficado cega, não registrou qualquer ocorrência em uma delegacia. A entidade disse ainda que respeita as manifestações, mas que precisa agir para manter a segurança de todos. As informações foram publicadas nesta quinta-feira, 01, pelo jornal 'O Estado de São Paulo'. 

Segundo a publicação do 'Estadão', a jovem está internada em uma clínica especializada em oftalmologia. Ela chegou a passar por uma cirurgia que teve mais de uma hora de duração. Após ser liberada, a estudante revelou o que aconteceu com ela através de mensagens em redes sociais.

Publicidade

 "Sofri uma lesão e perdi a visão do olho esquerdo mas estou bem", revelou ela, que precisou ainda ser sedada por conta das fortes dores. 

Tchau, querida

Protestos contra e a favor do impeachment foram realizados em todo o país. A ex-presidente Dilma já avisou que sua oposição será forte. O objetivo dela é fazer com que o PT resgate a imagem da década de 1990, quando era um dos partidos contra o governo mais fortes e influentes no país, tendo forte representação na classe trabalhista.  #Dilma Rousseff