Luiz Henrique Ferreira Romão, o famoso "Macarrão", amigo e cúmplice do goleiro Bruno no desaparecimento e assassinato da modelo Eliza Samúdio, teve autorização para cumprir a pena em regime semiaberto no mês de maio e a partir de hoje, 01 de setembro, começará trabalhar fora do presídio, das 7h às 1 h de segunda a sexta-feira e das 7h às 12h aos sábados.

Para muitos detentos isso é um grande alívio e forma de sair do ambiente carcerário, pelo menos por uma parte do tempo, além de reduzir consideravelmente a pena. Anteriormente Macarrão cumpria pena na cidade de Contagem-MG, na Penitenciária Nelson Hungria, porém como lá não é aceito o regime semiaberto, seus advogados solicitaram sua transferência para o Presídio Pio Canedo, em Pará de Minas.

Publicidade
Publicidade

Macarrão irá trabalhar em uma igreja evangélica, na cidade de Pará de Minas-MG, exercendo a função de zelador. Ele já havia recebido uma proposta de trabalho, na qual iria atuar como vendedor de uma empresa de vassouras, porém como ele teria que transitar entre as unidades, a defesa achou melhor aguardar para uma proposta de trabalho em um local fixo.

Na cidade de Pará de Minas-MG, por se tratar de uma cidade do interior do estado, não há monitoramento com tornozeleiras eletrônicas, e a segurança de Macarrão ficará a cargo das Polícia Civil e Militar. O advogado do detento afirma que ele não irá tentar fuga e não dará trabalho aos policiais, pois é uma pessoa de boa índole e que somente foi condenado por ter sido usado por outros envolvidos no #Crime.

Luiz Fernando Ferreira Romão teve direito de reduzir 425 dias da pena inicial, por ter trabalhado pouco mais de 1130 dias dias e ter concluído 570 horas dedicadas aos estudos, entre os meses de outubro de 2011 a setembro de 2015.

Publicidade

Ele também obteve o privilégio de sair temporariamente, além de poder trabalhar fora da penitenciária.

Muitos brasileiros acreditam que é mais uma prova das leis brandas que o Brasil possui, indignados pelo fato de que os que cometem tamanha atrocidade e causam morte de pessoas inocentes, terem mais oportunidades do que um trabalhador comum. #Curiosidades #Casos de polícia