Qual o conceito de família para você? Neste domingo, 04, o 'Fantástico' exibiu uma reportagem provocou polêmica nas redes sociais. Ela mostrou o nascimento do menino Ezra, filho de um casal homossexual. A diferença é que a criança foi gerada pela própria avó. Quantas no mundo podem dizer que pariram o próprio neto?  O menino foi registrado pelos pais Jefferson de Souza Cintra Albuquerque, 26 anos, brasileiro, e Julien Lamindin, 30 anos, francês.

Casamento e bebê

O casal se apaixonou no trabalho no ano de 2012. Eles marcam expediente em um hospital, onde trabalham até hoje. A unidade hospital está na França, mas o sonho de Julien e Jefferson aconteceu todo no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Eles estiveram por aqui no ano passado para se casar. Meses depois veio o nascimento do primeiro filho. O menino lindo está saudável e dá trabalho como qualquer bebê, chora bastante, precisa comer, ser trocado e etc. 

A criança só foi possível graças à mãe do brasileiro. Ela ofereceu o próprio útero e acabou virando avó e mãe ao mesmo tempo. Ela carregou o filho do filho dela.  Em entrevista ao 'Fantástico', a dona de casa Quitéria de Souza Cintra Albuquerque, de 44 anos, casada com Carlos de Albuquerque, 47 anos, pai de Jefferson, disse que fez tudo por amor. "Eu sabia o tempo todo que ele era meu neto", disse a avó. O oferecimento foi espontâneo. A criança nasceu no Brasil, pois a legislação francesa não permite o sistema de barriga de aluguel.

O casal gay já voltou à França e ao trabalho.

Publicidade

Nesses primeiro meses, Quitéria ficará junto, pois Ezra, assim como qualquer criança, precisa mamar. "Eu não sei explicar o que ela fez por mim. Foi engraçado acompanhar. Até desejo eu acabei sentindo", disse Jefferson. A inseminação foi feita com o óvulo de uma doadora e com os espermatozoides dos dois pais. Eles não sabem qual o espermatozoide fertilizou o óvulo, ou seja, não sabem quem é realmente o pai biológico. Eles pediram para não ter essa informação. A #Família não se sente segura de ficar no Brasil por conta do preconceito.  #LGBT