Nasceu, no início do mês de junho, no Rio de Janeiro, ‘Ezra’, um menino saudável e muito bonito como muitos outros. Porém o que diferencia essa história é que este bebê foi gerado de uma forma diferente: pela sua própria avó. Com 44 anos de idade, Quitéria de Souza Cintra Albuquerque, que é casada com Carlos Albuquerque, de 47 anos, resolveu oferecer o seu ventre para gerar o seu próprio neto. Ou seja, ela gerou o bebê para o seu filho, Jefferson de Souza Cintra Albuquerque, de 26 anos, que é casado com o francês Julien Lamindin, de 30 anos. O casal gay tinha o sonho de ter um filho e por isso Quitéria resolveu fazer esta boa ação polêmica que mexe com a cabeça de muitas pessoas.

Publicidade
Publicidade

Jefferson e Julien se conheceram na França em 2012, em um hospital onde eles trabalham. No ano passado eles decidiram juntar seus ‘trapinhos’ e oficializar a união. O casamento foi realizado no Brasil e foi quando a história da gestação começou. Ao saber que o casal ia pedir para uma prima brasileira gerar o bebê, Quitéria nem pensou duas vezes e ofereceu o seu ventre no lugar dela. De acordo com Quitéria, mesmo gerando o bebê em seu ventre, ela sentia mais como se ele fosse o seu neto mesmo e isso ela conta toda orgulhosa por ter realizado o sonho do seu filho.

A fertilização do bebê foi feita em um laboratório com o óvulo de uma doadora anônima e com o sêmen do casal gay, que foi misturado para que eles não saibam quem é de fato o verdadeiro pai. Moradores da França há mais de dez anos, o casal gay agora passa uma temporada no Brasil em um apartamento no Rio, onde tentam se acostumar com ‘Ezra’, o novo integrante da família.

Publicidade

A avó, muito orgulhosa, amamenta o bebê por enquanto.

Na França a ‘barriga de aluguel’ é ilegal, por isso Jefferson e Julien resolveram fazer tudo no Brasil. Mas afirmam que devem voltar para sua casa logo, pois não se sentem seguros em criar Ezra por aqui por conta do preconceito que eles temem que o menino possa sofrer. 

E a pergunta que não quer calar é: o que você seria capaz de fazer por amor? Uma questão que vem atormentando a cabeça de muitas pessoas e que diverge opiniões pelo mundo todo em relação a esta história de Jefferson e Julien, que é tão interessante. #homossexualismo #Maternidade #LGBT