A Polícia Civil está investigando um caso que causou revolta grande no estado de Goiás. Um jovem de 23 anos, acabou sendo preso depois de oferecer o seu anel para uma menino de doze anos. O anel de compromisso, a tradicional aliança, estava na mão do garoto, quando esse foi encontrado pelos agentes da lei. De acordo com informações do portal de notícias G1, o menino ficou sumido por cinco dias na cidade de Jaraguá. Além do garoto ter confessado se relacionar com o rapaz preso, conversas obtidas no WhatsApp do pedófilo demonstram o envolvimento amoroso dois dois. O homem diz que vai se casar com o menino. 

De acordo com os agentes da lei, a vítima deletou a conta na rede social, por isso, não é possível ler as respostas dele.

Publicidade
Publicidade

Num dos trechos da conversa, o preso diz: "Casamento de aliança no dedo aceita ou não". O caso ficou nacionalmente conhecido justamente por conta do anel ter sido realmente dado para a criança. Eles se "casaram" enquanto perambulavam por fazendas da região. Antes de selar a união, o menino chegou a querer embora, mas teria sido ameaçado pelo suspeito. Com isso, ele teve medo de que algo fosse feito contra ele. 

Outra parte da conversa obtida pelo WhatsApp do jovem mostram os questionamentos dele perante ao garoto para que esse fosse morar com ele. A criança acabou se interessando pelo suspeito por meio do Facebook. Na rede social, o preso passava-se por um ator de televisão. Com a página atrativa, ele chamou a atenção do menor e os dois começaram a conversar, até que o menino pegasse confiança no pedófilo.

Publicidade

A investigação tem indícios que pelo menos oito seis menores teriam sido aliciados pelo homem, quatro meninos e duas meninas. Todos eles no estado de Goiás. 

De acordo com a Polícia, caso seja condenado, o preso pode ficar mais tempo na detenção, entre oito e quinze anos. A mãe do garoto, uma costureira de 39 anos, não escondeu a felicidade de encontrar a criança. Ela disse que sentia dor, mas que estava feliz pelo filho estar vivo e  que as coisas aos poucos iriam melhorar.  #Crime #Investigação Criminal