De acordo com informações do 'SBT Brasil', em reportagem publicada neste sábado, 25, está preso o acusado de assassinar o funcionário da emissora de Silvio Santos, Ronaldo Costa Paz. O crime ocorreu em junho, quando o profissional da mídia saia do trabalho e voltava para casa. Guilherme Augusto do Nascimento, conhecido como 'Peruca', portava drogas quando foi detido. Ele já era investigado pela morte do funcionário do SBT, que aconteceu na Zona Sul de São Paulo. Ao ser levado para a delegacia, ele acabou sendo reconhecido por testemunhas. 

Segundo o delegado que investiga o caso, José de Ademar de Souza, a polícia trouxe algumas testemunhas do #Crime - todas protegidas - e elas reconheceram com 100% de certeza que o assassino de Ronaldo Costa Paz seria mesmo o 'Peruca'.

Publicidade
Publicidade

"Ele então é mesmo o autor que vitimou o Ronaldo", explicou o delegado em uma reportagem dada à emissora em que Costa dedicou boa parte de sua vida. A vítima tinha 38 anos, quando o crime aconteceu. Ela foi baleada em uma tentativa de assalto próximo à sua casa. 

O 'SBT Brasil' foi criticado pelo curto espaço de tempo que dedicou ao crime, que assolou toda a emissora. O canal fez uma curta reportagem, de apenas 45 segundos, para falar sobre o  caso. "Gente, somente acho que o SBT deveria ter mostrado a família, se houve algum tipo de indenização e cobrar mais as autoridades. Quando o problema acontece na nossa casa, é uma exigência que a gente tenha mais preocupação, ou pelo menos demonstre isso. Adoro o canal de Silvio Santos, mas não gosto desse tipo de omissão do departamento de jornalismo da emissora, que, aliás, é muito fraco", disse um internauta.

Publicidade

De acordo com uma fonte da Blasting News, 'Peruca' teria pedido um advogado à família e amigos. Ele tem medo do que possam fazer com ele na cadeia. Apesar de ter cometido um crime dito como comum, muitos presidiários sofrem nas mãos dos colegas de cela no Brasil. Alguns são até estuprados, especialmente quando o motivo da prisão é por violação sexual de menores. #Investigação Criminal