De acordo com informações da Rede Globo e também do site da revista Veja, centenas de presos do Centro de Progressão Penitenciária (CPP), localizado no município de Jardinópolis, em Sã Paulo, fizeram uma rebelião na penitenciária e fugiram da unidade. O fato aconteceu nesta quinta-feira, 29. De acordo com informações da Polícia Militar, os detentos decidiram colocar fogo na unidade antes de iniciar a fuga da unidade. A ação teria sido premeditada. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, a SAP, o motim deve início durante um dia normal.

Os agentes faziam uma revista nas selas, quando tudo começou. Não há informações sobre feridos ou mortos.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a SAP, nenhum dos agentes foi feito refém. No meio da confusão, os presidiários conseguiram derrubar uma grade de quatro metros de altura. Essa grade cercava toda a unidade. Eles então saíram correndo em direção à Rodovia Cândido Portinari, que fica próximo ao local. Segundo a TV Globo, muitas pessoas que estavam no local ficaram apavoradas com tudo o que acontecia. Muitos dos fugitivos preferiram os canaviais para se esconder. A plantação cerca a via. 

De acordo com o Corpo dos Bombeiros, alguns dos presos também podem ter fugido nadando, através do pelo Rio Pardo. O resgate dos criminosos não deve ser fácil. Por isso, viaturas da região de Ribeirão Preto, também em São Paulo, tiveram que se deslocar para a unidade prisional, onde toda a confusão aconteceu. As buscas também acontecem no rio.

Publicidade

Até o fechamento desta reportagem, por volta das 13h40 no horário de Brasília, os criminosos ainda não haviam sido encontrados. 

O presídio tem capacidade apenas pra 1.080 detentos, no  entanto, essa capacidade foi extrapolada e haviam 1.864 pessoas cumprindo pena no local, muitas delas no regime semiaberto. Nas redes sociais, a população local se mobilizou."A população poderia ajudar se publicassem a foto dos ainda nao recapturados", escreveu um dos moradores da região. Não há notícias de moradores feridos na ação até o momento.  #Crime #Investigação Criminal