As propostas preparados pelo governo de Michel Temer (PMDB) para a reforma da Previdência Social, que afetará idade e tempo mínimo de contribuição dos trabalhadores com o #INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), já começaram a despertar protestos de centrais sindicais e setores trabalhistas.

Na última quinta-feira, dia 22, representantes de setores de defesa do trabalhador se reuniram na Avenida Paulista, em frente ao prédio da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) para protestar contra a proposta, que deve seguir para votação no Congresso na próxima semana, ainda antes das eleições municipais, marcadas para o dia 2 de outubro.

Publicidade
Publicidade

Se aprovada, a proposta deve entrar em vigor a partir de 2017. Para as centrais sindicais, a medida trará diversas complicações para a classe trabalhadora, que precisará aumentar seu tempo de contribuição com a Previdência e sua idade mínima para requerer o benefício.

Líderes das principais centrais de trabalhadores afirmam que a ideia acarretará em piora na qualidade de vida dos trabalhadores, além de poder acarretar em mais casos de doenças causadas pelo longo tempo de #Trabalho. #PrevidenciaSocial