O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiu nesta quinta-feira, 08, mais uma propriedade. Dessa vez, a entrada do grupo foi na fazenda Saco de Bom Jesus, localizada no estado em Goiás. A invasão teria ocorrido porque o grupo acreditaria que a fazenda é da senadora Ana Amélia, eleita pelo Partido Progressista (PP) do Rio Grande do Sul. No entanto, a Congressista que votou contra a ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), durante o processo de #Impeachment alega que a propriedade não é mais dela. Apesar disso, a Congressista alega que a ação só aconteceu em represália a seu trabalho, que marcou história.

Publicidade
Publicidade

No dia 31 de agosto, 61 Senadores foram contra a companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e votaram pela sua cassação. 

Após a fala da Senadora, o MST se defendeu, alegando que o intuito  da ocupação é denunciar a existência de espaços improdutivos. Segundo as primeiras informações, entre cinco e oito mil famílias estariam no local esperando serem assentadas. A entidade que defende Dilma cita alguns problemas na documentação e diz que pelo tamanho da propriedade, pouca coisa estaria sendo produzida ali. O Movimento dos Sem Terra ainda disseram que os índices da produção de gado seriam insatisfatórios para um grupo que defende um modelo de agronegócio mais moderno. Nesta quinta-feira, Ana Amélia foi à tribuna do Senado Federal e reagiu. Segundo ela, a única razão para a invasão seria uma maneira de protestar contra ela por ser favorável ao impeachment. 

Segundo Ana Amélia, assim como teria feito o PT, a entidade que diz querer terras,seria especialista em “assassinar reputações”.

Publicidade

Ela continuou com as graves críticas e disse que o MST não quer terra, mas sim causar temor e fazer uma retaliação contra ela. De acordo com ela, esse tipo de ação não a assusta e não funciona. Para a Congressista, esse não é o jeito certo de protestar, não seria democrático. A transferência da fazenda de nome só será feita em 2017, por isso, os manifestantes teriam acreditado que ela ainda é dona do local. No entanto, já no ano que vem, quando esse pagamento for concluído, haverá a mudança de dono. 

  #Dilma Rousseff