O Supremo Tribunal Federal (STF) deu uma decisão histórica nesta quarta-feira, 31, que mexe com todos os brasileiros. Não, não estamos falando do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), mas sim de uma nova lei que mudará o conteúdo dos canais abertos no país, mudando o que conhecemos hoje como a classificação etária. A classificação indicativa continua sendo exibida antes dos programas, mas não quer dizer que atrações pesadas, com violência e sexo, não possam passar em qualquer horário. Apesar de polêmica, a lei enfim coloca o papel de permitir o que crianças e adolescentes vão ou não ver nos próprios país.

Publicidade
Publicidade

Com o avanço da sociedade e da internet, o acesso a conteúdos pornográficos ficou extremamente fácil. Não permitir que uma novela, por exemplo, exiba uma cena de sexo, acabou virando hipocrisia. É claro que os canais terão bastante cuidado com a nova permissão, afinal, eles podem ser processados por telespectadores irritados. A única obrigação dos canais de televisão agora é avisar que tipo de programa será exibido, se tem cenas de sexo, de violência e etc. Isso ajudará e muito a #Rede Globo de Televisão a reprisar grandes novelas na sessão do 'Vale a pena Ver de Novo'. Folhetins como 'Avenida Brasil', só não passaram até então na sessão de folhetins justamente por conta da lei antiga. 

SBT e Record, que também exibem novelas à tarde, agora não precisam mais se preocupar em fazer inúmeros cortes.

Publicidade

Novelas mexicanas são conhecidas pelo excesso de violência, que faz parte da história. Isso agora vai acabar. A mudança na legislação pode também provocar uma mudança do tipo de tramas exibidas. Histórias como 'Malhação', por exemplo, podem ficar com a cara de 'Verdades Secretas'. 

A mais alta corte do país deixou claro, no entanto, que, mesmo mais branda, deve prevalecer o bom senso das emissoras em todos os casos, e que abusos poderão ser denunciados e apurados pelo Ministério Público. Além disso, o telespectador, no geral, é conservador.  #STF #Investigação Criminal