Nesta quarta-feira, o Brasil teve um desfile de Sete de Setembro bastante diferente. Uma semana depois da mudança de presidente, o evento foi o primeiro com Michel Temer, do #PMDB, fazendo aparição pública no país. Após tomar posse, no dia 31 de agosto, ele viajou para a China, onde reuniu-se com o G-20, grupo dos vinte países mais ricos do mundo. Em Brasília, Michel esteve ao lado da mulher, Marcela, e do filho Michelzinho, de sete anos. A família do peemedebista fez o desfile em carro fechado, tudo devido  ao clima instável político no Brasil. Houve protestos em pelo menos 18 capitais (segundo o G1) pedindo o "Fora Temer" e também novas Eleições. 

De acordo com informações do site 'O Estado de São Paulo', Ministros de Temer fizeram falas polêmicas contra as manifestações, que mais parecem zombaria com os atos, que pedem também a volta da ex-presidente Dilma Rousseff. Para Eliseu Padilha, Ministro da Casa Civil "não havia mais de dezoito manifestantes" gritando "Fora Temer" e "golpista" nas arquibancadas reservadas para convidados.

Publicidade
Publicidade

O espaço é determinado justamente para pessoas que costumam apoiar quem está no poder e mesmo quem não apoia, não costuma protestar, já que a atitude acaba sendo vista como falta de educação. 

O Secretário de Governo, Geddel Vieira, foi outro que acabou fazendo comentários sobre as manifestações. Geddel é conhecido por ser bastante irônico nas redes sociais. Para Vieira, não houve vaias suficientes para apagarem os aplausos feitos pelo representante do PMDB. "Que protesto? 15 pessoas?”, comenta ele. Outro que também fez comentários foi o Secretário Moreira Franco. Ele, diferente dos colegas, falou do papel do setor de inteligência do governo federal.

Segundo Moreira, as manifestações feitas no palco foram realizadas por funcionários da EBC. Eles disseram que estão infelizes por conta da mudança na imprensa.

Publicidade

O então diretor-presidente, Ricardo Mello, já foi destituído novamente do cargo. Franco relativizou as manifestações, falando que essas fazem parte da democracia e que o trabalho do staff de Temer é pacificar e unir o país nesse momento. 

  #Michel Temer