Depois de sua visita à China, o presidente brasileiro voltou com ideias de modelos diferenciados de gestão, a exemplo da privatização de unidades penitenciárias, que proporcionaria ao #Governo economia e melhor condição de vida aos presidiários.

Segundo o modelo, ele proporcionaria melhores condições e socialização, porém, ficaria condicionado ao trabalho do detento. Ou seja, para ter acesso a “itens extras” ou diferenciados, como produtos de higiene, melhor comodidade nas celas e até itens de beleza, o detento ficaria obrigado ao trabalho.

No modelo também consta a retenção de parte do "salário" do presidiário, para ser depositado em uma poupança, servindo de base financeira para um recomeço de vida do detento.

Publicidade
Publicidade

Apesar de serem criticadas por especialistas e grupos de direitos humanos, já existe a ideia de se implantar o sistema num "presídio piloto"

#Michel Temer esteve na China no início do mês e anunciou, além de aportes financeiros daquele país, no valor de R$ 15 bilhões, acordos que passam de R$ 200 bilhões.

Situação precária do sistema carcerário brasileiro

Entre os anos de 2000 e 2014, a população carcerária, no país, cresceu numa média de 7% ao ano. Estes números são cerca de 10 vezes maior que o percentual de crescimento populacional do Brasil.

O crescimento da população no período foi de 16% em média, pouco mais de 1% ao ano contra 161% no mesmo período.

Segundo fontes oficiais, o #Sistema prisional brasileiro mantém detidos, entre homens e mulheres, cerca de 607 mil indivíduos.

Países a exemplo da Suécia, Estados Unidos, Rússia e a China têm buscado, com sucesso, alternativas para reduzir a população prisional.

Publicidade

Condições insalubres extremas que provocam constantes rebeliões evidenciam falhas graves no funcionamento do sistema carcerário e aponta que alguma medida precisa ser tomada com urgência.

Privatização de presídios é discutida no Senado

No Senado, o senador Vicentinho Alves apresentou o Projeto de Lei 513, em 2011. A proposta trata da normatização para se estabelecer parcerias público-privadas, para construção e terceirização de unidades penais.

O projeto também traz para discussão, a falta de recursos financeiros para manutenção das unidades prisionais, mantidas pelo dinheiro público.

A discussão foi tema de capa da revista "Em Discussão", que traz os principais debates da semana no Senado e vem encartada no Jornal do Senado desta terça-feira (20).

Ideia divide opiniões

A ideia tem opiniões divididas e é combatida por alguns grupos da sociedade. Entre eles, o que faz forte oposição é o dos Direitos Humanos, que a entendem como exploração do apenado, discordando da transferência do poder punitivo à iniciativa privada.

Entre as resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) de Direitos Humanos, estão a obrigatoriedade de, no mínimo, três refeições diárias e duas horas de acesso à luz natural, ou “banho de sol”, como é conhecido no Brasil.