Uma boa notícia foi divulgada pelo Instituto Butantan, nesta segunda-feira (19). O diretor da instituição, Jorge Kalil anunciou que os testes para a #vacina do #Zika Vírus, poderão iniciar daqui a aproximadamente dois meses.

O país passou por uma gravíssima epidemia da #Doença, que trouxe um impacto enorme principalmente nas gestantes, pois a maioria das grávidas que tiveram a doença transmitiram aos seus bebês e a doença provocou mal formação no cérebro das crianças, provocando a microcefalia.

Desde o surto, que acabou se espalhando em outros países, o zika se tornou uma preocupação de saúde pública e várias pesquisas foram iniciadas em busca de uma vacina eficaz contra o vírus, que provocou danos extremamente graves nos bebês das grávidas que tiveram a doença.

Publicidade
Publicidade

A vacina estava sendo desenvolvida em parceria entre o instituto americano e o brasileiro. Foi usado fragmentos de DNA, produzidos de maneira sintética nos laboratórios. Esse DNA codificou a proteína do zika vírus, despertando um feedback imunológico que atua contra o vírus dentro do organismo.

O diretor do Instituto Butantan contou que foi usado um processo revolucionário para o desenvolvimento da vacina, afirmando que não existe nenhuma contra indicação para as gestantes, pois esse é um dos principais objetivos, ter uma proteção para as mulheres grávidas.

A instituição vai fazer uma reunião nesta semana com a Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O intuito é promover uma discussão para aprovar os testes clínicos. De acordo com Kalil, a Conep – Conselho Nacional de Ética em Pesquisa e a Anvisa, também estão sensíveis com a situação e provavelmente no prazo de no máximo 60 dias eles devem aprovar autorização para os testes.

Publicidade

A instituição também está trabalhando com um soro para tratar o vírus no organismo de uma pessoa que tenha contraído a doença.

Zika vírus no Brasil

A zika é uma doença transmitida pelo aedes aegypti e a suspeita é que o vírus começou a circular no país trazida por turistas durante a Copa do Mundo de 2014. Inicialmente, não houve um grande alarde, mas após perceber a relação da zika com os casos de microcefalia, várias campanhas para combater o mosquito transmissor começaram a ser divulgadas na tentativa de reduzir os casos da doença.