Na tarde desta quarta-feira, 28, um servidor público teve um dia de fúria. Gilberto Ferreira do Amaral, funcionário da prefeitura de Itumbiara, no sul de Goiás, decidiu atirar em um dos candidatos a prefeito da cidade e também no governador em exercício do estado, José Eliton, do PSDB. De acordo com informações do portal de notícias G1, o político levou um tiro na barriga durante a carreta. As primeiras informações dão conta que pelo menos quatro pessoas foram atingidas.

Já o homem acabou sendo morto por seguranças do próprio governador em exercício. Ao todo, três pessoas foram mortas na ação. O candidato à prefeitura foi identificado como José Gomes da Rocha, do PTB, de 58 anos.

Publicidade
Publicidade

Ele morreu. Além dele, o outro morto foi identificado como Vanilson Rodrigues. Ele trabalhava na escolta do vice-governador e acabou sendo o escudo do político. 

Segundo o delegado regional de Itumbiara, Ricardo Chueire, o atirador estava em um veículo, que parou na frente de um caminhão que conduzia uma carreata pela cidade. Foi nesse instante que o servidor público efetuou os disparos. O governador em exercício acabou sendo levado para um hospital da região. Até o fechamento desta reportagem, de acordo com a Globo News, ele estava sendo deslocado de helicóptero para um hospital da região. 

Segundo familiares do político, ele não corre risco de morte. O PSDB na região divulgou uma nota em que lembrou que o candidato morto liderava as pesquisas e era um homem de muita honra e querido pela população local. 

Com a palavra o staff dos políticos envolvidos na barbárie

A assessoria de imprensa do governador disse que Eliton passa por uma cirurgia.

Publicidade

Ainda não há informações sobre o estado de saúde dele após o comunicado. "Muito triste haver pessoas capazes de atos de tamanha violência e covardia", diz um trecho do comunicado enviado à imprensa. 

Nas imagens abaixo você pode assistir à correria na região quando começou o tiroteio:

Veja abaixo o vídeo que mostra o candidato a prefeitura já morto. Imagens fortes:

#Crime #Eleições 2016