A Secretaria Estadual de Segurança Pública divulgou o laudo que esclarece a #Morte de uma criança de dois anos que ocorreu na cidade de Cuiabá. O resultado da perícia realizada no achocolatado da marca Itambezinho foi divulgado nesta quinta-feira (01).                      

A conclusão mostrou que o produto ingerido pela criança estava realmente envenenado. Foram encontrados vestígios de um defensivo agrícola no restante do achocolatado que o menino bebeu, quanto no material coletado dentro do estômago. 

O delegado responsável pelas investigações, Eduardo Botelho, informou que foram localizados nas embalagens dois produtos de marcas diferentes o pesticida usando para matar rato.

Publicidade
Publicidade

Duas pessoas suspeitas foram presas nesta quinta-feira. Dessa forma, foi descartada a possibilidade do achocolatado estar contaminado por bactéria

Nota da Itambé

A empresa fabricante do achocolatado divulgou uma nota afirmando que o caso ficou esclarecido com a prisão dos suspeitos envolvidos na morte do menino. Sendo descartada a contaminação do produto. 

Entenda o caso

Um comerciante da região é o suspeito de ter colocado o veneno dentro do achocolatado. Ele foi identificado como Adônis José Negri. O motivo seria estar cansado de ser furtado constantemente, então resolveu injetar o veneno dentro do achocolatado para se vingar do ladrão que vinha lhe causando prejuízos.

O suspeito de praticar os roubos é o Deul de Rezende Soares. No entanto, o rapaz não bebeu o produto e o vendeu para o pai da vítima, o que acabou culminando na tragédia.

Publicidade

O comerciante deverá responder criminalmente por homicídio qualificado e tentativa de homicídio. Já o assaltante será enquadrado por furto qualificado e, se ainda houver a confirmação de que o pai do menino soubesse da procedência ilegal, também vai responder por #Crime de receptação. 

A perícia concluiu que o comerciante usou uma seringa para inserir o veneno dentro do achocolatado. A tentativa frustrada de vingança de Adônis provocou a morte de uma criança inocente. Em seu depoimento, ele disse que queria apenas matar ratos, mas fica claro que o objetivo era de envenenar o assaltante, porém, o comerciante não contava que outra pessoa tomasse a bebida.

  #Investigação Criminal