Nesta segunda-feira, 10, um grande confronto entre bandidos e policiais mexeu com o Rio de Janeiro. A ação aconteceu em duas comunidades da cidade - apelidada de Maravilhosa - os morros do Cantagalo de do Pavão-Pavãozinho, ambos na Zona Sul do Rio de Janeiro. Alguns dos homens acabaram se escondendo em um penhasco. Um deles acabou sendo alvejado por tiros e caiu morro abaixo, vindo a falecer. Ele não poderia ter escolhido esconderijo pior para manter a própria segurança. Já outro, que aparece na foto desta reportagem, até conseguiu se esconder em uma fenda localizada em uma pedra. Usando roupas escuras e uma bermuda camuflada, ao estilo do Exército, ele acabou sendo flagrado.

Publicidade
Publicidade

A imagem foi feita por um jornalista no Extra. 

De acordo com o jornal carioca em reportagem publicada nesta terça-feira, 11, além da foto reveladora, existem ainda dois vídeos que mostram o criminoso na mesma pedra. O nome dele não foi revelado. O corpo de um dos suspeitos - aquele que mencionamos que foi alvejado e caiu do morro - acabou sendo encontrado logo depois pela polícia da cidade do Rio de Janeiro. Com o cadáver, algo de muito errado foi encontrado, uma quantidade enorme em drogas. Ao todo, oito quilos de cocaína foram encontrados na mochila do falecido. Acredita-se que ele protegia o material, de grande valor comercial na comunidade.

O morro do Cantagalo, onde a morte foi registrada, fica próximo ao bairro de Copacabana, na Zona Sul da cidade. Os principais clientes desses traficantes seriam os próprios moradores da região, que com maior poder aquisitivo preferem essa droga do que a maconha, considerada mais fraca. 

O rapaz que aparece na foto se escondendo da polícia acabou sendo preso.

Publicidade

Ele também levou um tiro, mas não caiu do penhasco que nem o seu colega. Os criminosos chegaram a usar fuzis AK-47 durante a guerra na cidade contra a polícia. Esta é uma arma de guerra. Enquanto a ação acontecia, pessoas tinham medo de subir as comunidades, enquanto moradores de Copacabana se protegiam em seus apartamentos.  #Crime #Investigação Criminal