A #AEB (a Agência Espacial Brasileira) pretende lançar até o final de 2018 o Veículo Lançador de Microssatélites (VLM), uma #foguete de médio porte adaptado para colocar em órbita pequenos satélites. 

O presidente da AEB, José Raimundo Coelho, acredita que se o programa tiver sucesso, o Brasil teria uma grande fila de espera de interessados em mandar seus satélites a partir da nossa base de lançamentos.

Segundo especialistas, quanto mais pesado é um satélite, mais caro fica para colocá-lo em órbita. O Brasil espera se especializar em lançar microssatélites. Atualmente, a maioria dos satélites lançados “são verdadeiras constelações de pequenos satélites.

Publicidade
Publicidade

Se um deles falhar, é só mandar outro de pequeno porte para substituir”, afirma José Raimundo.

A China tem sido parceira do Brasil na construção de satélites durante 30 anos, enquanto que a Alemanha tem apoiado no desenvolvimento de veículos lançadores há 40 anos.

Banda larga para todos

Além do VLM, o Brasil está investindo na construção do #SGCD, um satélite geoestacionário que irá fornecer comunicações estratégicas para o Brasil, além de prover banda larga para todo o território nacional. O projeto é considerado como uma questão de soberania nacional e conta com investimento de 1,7 bilhões de reais.

Para o satélite, foi criada a empresa Visiona, que integra equipes da Embraer e da Telebras, para a sua construção. Atualmente, o satélite está em fase de testes e o lançamento está previso para 2017.

Publicidade

A vida útil do satélite será de 18 anos.

Base privilegiada

O Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, é considerado a base de lançamento de foguetes mais bem localizada do mundo. Situados a apenas 2º da linha do equador, os foguetes lançados do Maranhão recebem um maior impulso da rotação do nosso planeta, o que representa uma grande economia de combustível.

Se o novo foguete tiver sucesso, tornará o Brasil competitivo dentro do lucrativo mercado de lançamentos de satélites. Um grande impulso para estabelecer a indústria espacial brasileira como forte e sustentável.