O STJ (Superior Tribunal de Justiça) anunciou nesta semana uma reviravolta surpreendente envolvendo o caso de uma menina estuprada coletivamente no Rio de Janeiro. O caso, que inicialmente chegou a ser apontado como mentira por um dos advogados, a partir de um vídeo mostrando o crime e de depoimentos de testemunhas chegou até à Vara Criminal Regional de Jacarepaguá, na zona oeste da cidade maravilhosa. Um dos envolvidos chegou a confessar que apenas fez o vídeo. A revelação dele foi capaz de ajudar à polícia a encontrar outros suspeitos.

Um dos encontrados foi o homem que aparece na imagem com a garota. Ela dá língua na foto. Esse suspeito disse que se arrependeu de ter tomado a atitude, mas que foi ele que, na verdade, teria salvo a menina de ser novamente violentada por homens da região. E lá que serão julgados os três acusados de participarem de um estupro coletivo de uma menor de idade no Morro do Barão.

Publicidade
Publicidade

A garota chegou a dizer que foi obrigada a ter relações íntimas com mais de trinta homens ao mesmo tempo. 

O estupro ocorreu em maio deste ano, chamando a atenção da mídia nacional e internacional. De acordo com informações do portal de notícias R7, em matéria publicada nesta terça-feira, 11, Raí de Souza, Raphael Assis Duarte Belo e Moisés Camilo de Lucena responderão pelo estupro da jovem. A pena pode ser maior para os três devido ao fato da jovem ser menor de idade. Nesses casos, a vítima é considerada vulnerável por ter menos de dezoito anos. Quem denunciou os acusados foi o Ministério Público do estado do Rio de Janeiro. 

Houve uma polêmica ao longo do processo, que era sobre quem teria a competência para ficar falando sobre o caso. O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) acabou sendo reconhecido para tal fato  e agora os próximos passos da ação seguiram em segredo de justiça.

Publicidade

Antes, a 5ª Vara Federal do Rio de Janeiro. 

A garota que foi estuprada não mora mais no Rio de Janeiro. Ela está no serviço de proteção à testemunha. Não foi informado o local onde ela está morando.  #Crime #Investigação Criminal