Na noite desta quinta-feira (28), uma confusão aconteceu dentro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro Jangurussu, em Fortaleza (CE). Os pacientes que esperavam atendimento no local ficaram assustados e muitos gritavam para que os PM’s soltassem um dos envolvidos, que estava sendo imobilizado.

O motivo do tumulto, conforme informou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), foi porque o pai de um dos homens detidos pela polícia morreu logo após chegar para ser socorrido na unidade de pronto atendimento. O filho teria ficado revoltado com a situação em que se encontrava o idoso, e começou a quebrar e danificar aparelhos da unidade hospitalar e agredir os médicos e profissionais da UPA.

Publicidade
Publicidade

Foi quando os policiais militares da Ronda do Quarteirão foram acionados e o confronto se estabeleceu com dois acompanhantes do idoso que tinha acabado de morrer. É possível ver toda a movimentação no vídeo.

As imagens mostram que os policiais tentam deter o homem que resiste à tentativa de imobilização dos oficiais. O policial chega a deferir socos contra o homem que estava caído no chão. As pessoas que estavam no em torno começam a gritar desesperadas para que o PM solte o rapaz, dizendo que a ação não era necessária. Um dos policiais que lidava diretamente com a situação teve o nariz quebrado, e é possível ver muito sangue durante a gravação feita por outro paciente. Outro homem e alguns outros familiares do aposentado que infelizmente veio a óbito impeliam palavrões contra os agentes e também foram detidos por desacato.

Publicidade

Um dos suspeitos chutou o rosto do PM, motivo pelo qual ele teve o nariz quebrado.

Os dois homens envolvidos foram direcionados até a delegacia para serem ouvidos, como informou a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social. Eles foram autuados, e uma ocorrência foi registrada com os crimes de desobediência e desacato após toda a confusão. Um boletim de ocorrência foi feito na 30ª DP, e os envolvidos liberados, eles devem responder em liberdade pelos crimes que cometeram #Crime #Investigação Criminal