Tudo parecia o início de uma conquista, mas que acabou muito mal. Uma menina, de treze anos de idade, publicou uma foto na internet e um desconhecido comentou a imagem, dizendo que ela era uma "gata". Ela gostou do comentário e disse "obrigado". Dias depois, no entanto, enquanto andava com uma amiga no meio da rua, ela foi abordada pelo mesmo rapaz. Ele não pedi um beijo ou para "ficar" com ela. O dom Juan do #Crime acabou assaltando a vítima em Vilhena, Rondônia. Ela, que não teve o nome identificado, acabou ficando sem o celular e com maior dificuldade de ver suas mensagens nas redes sociais. 

De acordo com a polícia da região, em entrevista dada ao G1, a menina desconfiou que conhecia o jovem.

Publicidade
Publicidade

Ao chegar em casa, ela teve certeza de tudo. O tal garoto que a roubou era o mesmo que a elogiou na internet. A vítima e o Dom Juan do crime tinham se conhecido há um mês. Até então, eles não haviam tido qualquer contato através de mensagens ou pessoalmente. A menina achou o rapaz bonito e gostou de ser chamada de "gata". Por isso, deu uma olhada no perfil dele. A partir daí, o rosto do criminoso não foi esquecido tão cedo. Pelo visto, o rapaz que tem uma vida no crime não estava muito preocupado em proteger o rosto. 

A polícia até tentou encontrar o rapaz que chamou a garota de "gata", mas as buscas não tiveram final feliz. Tudo acabou mal e o suspeito continua a solta, inclusive, usando o perfil na rede social. O roubo aconteceu depois que a menina saiu de um churrasco em família. No entanto, um grupo de meninos estava em frente do local e o telefone dela tocou.

Publicidade

Ao atender o aparelho, o celular ficou à mostra e chamou a atenção dos criminosos, que não pensaram duas vezes em abordar a vítima. 

A dupla acabou sendo abordada por dois garotos na esquina. Eles aparentavam serem menos de dezoito anos e usavam bicicletas. No momento do roubo, os garotos usavam uma faca e ameaçaram de morte, caso não entregassem o celular. A amiga, mais esperta, disse que não estava carregando nada. No entanto, a menina que mostrou o aparelho antes ficou sem o eletrônico.  #Investigação Criminal