Atualmente cumprindo pena em prisão domiciliar por envolvimento no esquema investigado pela Operação #Lava Jato, o engenheiro Zwi Skornicki fechou um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal nesta sexta-feira, dia 14. Como parte do acordo, Zwi terá que devolver US$ 23,8 milhões aos cofres públicos.

O engenheiro é acusado de ser o intermediário dos esquemas de propina centralizados na Petrobrás. Ele confessou ter repassado US$ 4,5 milhões de caixa 2 para João Santana, chefe de campanha da ex-presidente Dilma Rousseff, reeleita em 2014 e derrubada por um processo de impeachment neste ano.

Além do dinheiro, mantido em offshores no exterior, Zwi também terá que devolver obras de arte supostamente adquiridas com dinheiro de #Corrupção.

Publicidade
Publicidade

Entre as peças estariam trabalhos de Romero Britto e Salvador Dalí. O engenheiro também enfrenta acusações que podem lhe impor uma pena de até 15 anos de cadeia. Com o acordo de delação, os advogados de defesa esperam que o réu possa cumprir pena em prisão domiciliar, como têm feito desde agosto. #Justiça