Uma feira evangélica que aconteceria no Centro de Convenções de Goiânia durante os dias 20, 21 e 22 de outubro está dando o que falar na internet, isso por que o evento foi cancelado no dia marcado para iniciar, devido à falta de comunicação entre os organizadores do evento e a administração do local.

Segundo informado nas redes sociais do evento denominado Gospel Fair, o mesmo teve que ser cancelado por um problema de contrato com o local do evento, que inclusive já vinha sendo anunciado há muito tempo, no entanto, somente na semana da feira, a direção do Centro de Convenções anunciou que não havia contrato algum com os organizadores e que, portanto, também não estava autorizada a anunciar que a mesma aconteceria, já que nada havia sido acertado.

Publicidade
Publicidade

Esse detalhe rendeu aos organizadores da feira um prejuízo de dezenas de milhares de reais, já que haviam alugado toda a estrutura para montagem de stands, palco, som iluminação, cachê e passagem aérea dos artistas que se apresentariam durante os três dias do evento.

A #Economia do município também seria movimentada, já que os hotéis haviam recebido milhares de reservas de famílias inteiras que queriam acompanhar a feira e poder ver o seu artista preferido de perto.

Segundo o site O Fuxico Gospel, que é especializado em noticias do meio evangélico, os organizadores esperavam lucrar cerca de R$ 1 milhão durante os três dias, com a expectativa de que pelo menos 50 mil pessoas passassem pela feira durante este período. 

Em nota, os organizadores lamentaram o ocorrido e agradeceram a compreensão das pessoas e o apoio de políticos e empresários.

Publicidade

Mesmo frustrados, alguns cantores gospel, que já estavam na cidade no dia 20 de outubro, foram às rádios locais para explicar o que aconteceu e tentar amenizar a repercussão negativa.

Em 2015, o site Terra publicou uma entrevista com o presidente da Associação Brasileira de Empresas e Profissionais Evangélicos, Marcelo Rebello que, entre outros dados, revelou que o mercado evangélico movimenta cerca de R$ 21 bilhões por ano. #Dinheiro #Negócios