Na última segunda-feira (17), a #Igreja Universal do Reino de Deus foi condenada a indenizar uma garota vítima de estupro no valor de R$ 300 mil. O pai da vítima entrou com o processo, pois sua filha foi abusada por um homem que trabalhava auxiliando o pastor da Igreja na época. O #Crime aconteceu em Guaraí, centro do estado de Tocantins, no ano de 2011, quando a garota tinha apenas 13 anos de idade.

A sentença foi dada na Comarca de Guaraí, mas a Igreja Universal do Reino de Deus não concordou com a decisão do juiz Océlio Nobre e afirma que vai recorrer ao Tribunal de Justiça (TJ)  de Tocantins. De acordo com o advogado da Igreja, o criminoso não era representante e não tinha nenhum cargo, ele era apenas um membro sem nenhuma responsabilidade dentro da administração da Igreja.

Publicidade
Publicidade

Mas o juiz concluiu que a obrigação de indenizar a vitima é da Igreja, pois o criminoso usava o nome da entidade, trabalhava e estava diariamente na Igreja, assim ganhando a confiança dos fiéis frequentadores.

Atualmente, a vítima está com 18 anos de idade e o juiz declarou que o valor da indenização é referente aos efeitos negativos deixados na garota após o crime. O juiz ainda afirmou que o valor pode ser pago pela Igreja sem problemas e acredita que assim passarão a ter mais vigília para garantir a segurança para seus membros fiéis frequentadores.  

Como aconteceu o crime

De acordo com a sentença criminal, no ano de 2011, a vítima, ainda menor de idade, frequentava um grupo de jovens liderado pelo criminoso. Os dois começaram a se conhecer e rapidamente aconteceu o namoro escondido, com eles se encontrando na igreja e na escola da menina.

Publicidade

O homem induziu a vítima a fugir com ele, dizendo que o pai não iria aceitar o namoro dos dois, devido à idade dela. O criminoso assumiu que teve relação sexual com a garota.

O homem está preso desde 2014, no município de Teófilo Otoni, em Minas Gerais. Ele foi condenado a 10 anos e oito meses de prisão pelo crime contra a menor, considerado pela justiça como #Estupro de vulnerável, visto que na época dos fatos a menina era menor de 14 anos.