Foi confirmado, essa semana, pelo Instituto Médico Legal (IML), que o corpo encontrado ‘concretado’ em uma parede em Piracicaba (SP), é mesmo de Jéssica Miranda Flores, de 22 anos, desaparecida desde o dia 9 de setembro. O cadáver foi encontrado no dia 23 de setembro, em um imóvel em construção na Rua Mello Ayres, no bairro Vila Cristina, a apenas cinco quadras de onde a jovem morava com a mãe. O corpo estava em estado de decomposição avançado e, por isso, não foi possível fazer o reconhecimento sendo necessária a realização de exame através da arcada dentária. Somente nesta última quinta-feira (13), saiu o laudo de confirmação que se tratava mesmo de Jéssica.

Publicidade
Publicidade

A mãe disse que foi avisada por conhecidos de que o corpo pudesse ser da filha, mas que ainda nutria esperanças de que não fosse ela.

Segundo a empregada doméstica Cleusa Rosa Miranda, de 58 anos, a filha era usuária de drogas e vinha tendo problemas para largar o vício. De acordo com Cleusa, ela teria começado a fazer uso de entorpecentes há cerca de um ano, mas tinha decidido parar. Começou inclusive, a frequentar uma igreja com a mãe na tentativa de largar o mundo das drogas. A jovem pretendia fazer faculdade de jornalismo, mas estava totalmente absorvida com más companhias e não conseguia se livrar da dependência. A mãe avisou inúmeras vezes à filha sobre os perigos das substâncias químicas, chegou a dizer que só existem dois ‘Cs’ para quem se envolve com esse mundo: ‘caixão ou cadeia’.

Publicidade

A última vez que Jéssica foi vista pela mãe foi na noite de 9 de setembro, aproximadamente às 23h. Ela estaria na calçada de casa e disse à genitora que não demoraria. No entanto, a jovem não voltou para sua residência, e foi vista no bairro Vila Cristina algum momento depois dentro de um carro com um amigo chorando muito. Outras testemunhas também relataram terem visto a moça saindo de um bar e entrando em um veículo com um cadeirante e outros dois homens. Nos dias subsequentes a jovem não apareceu e começou a ser procurada pela família, até que em 23 de setembro um corpo foi encontrado em uma casa em construção do bairro. Segundo Cleusa, que ficou desesperada com a notícia, inicialmente a polícia disse a ela que se tratava de um homem, mas para a mãe da vítima, foi só uma tentativa de tentar tranquilizá-la. Infelizmente a confirmação de que se tratava mesmo de Jéssica veio essa semana. A polícia investiga dois suspeitos que já foram ouvidos. Um deles inclusive chegou a procurar Cleusa, dizendo não ter sido ele o autor do #Crime. A família agora só pede por justiça e aguarda as investigações. #Investigação Criminal