Uma jovem de 27 anos foi baleada e morta dentro da própria residência, em Vianópolis, região sul de Goiás. O corpo de Caillane Marinho, que era fisioterapeuta, foi encontrado na manhã deste domingo (9), no quarto da residência. Conforme informações da Polícia Civil, ela apresentava uma ferimento de tiro na cabeça e pode ter sido vítima de um #Crime passional. Para os investigadores, o namorado da moça, um engenheiro agrônomo que está oficialmente foragido, é o principal suspeito do assassinato.

Segundo o delegado Eduardo Eustáquio de Miranda, que está à frente das investigações, a polícia trabalha com essa linha de investigação porque ouviu de amigos do casal que eles se relacionavam há pouco tempo e tinham muitas brigas.

Publicidade
Publicidade

Para Miranda, há a possibilidade de ambos terem  se desentendido antes do crime, já que a residência estava toda revirada.

Ainda segundo o delegado, a defesa do namorado já contatou as autoridades policiais para negociar sua apresentação, que seria feita de forma voluntária. Até a noite de domingo o suspeito não tinha se entregado.

Horas depois do crime, o Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis examinou o corpo, mas ainda não foi divulgado o laudo oficial.

A vítima tinha uma filha de 7 anos, que vive atualmente com a avó.

 Relação difícil

Segundo amigos relataram à imprensa, o namoro dos dois tinha completado seis meses e era marcado por muitos desentendimentos. As brigas aconteciam principalmente por ciúmes, segundo um publicitário que pediu anonimato. O amigo contou que o casal morava junto e que depois que eles engataram no relacionamento, Cailani se afastou dos amigos.

Publicidade

O rapaz contou ainda que há quatro dias a vítima lhe confidenciou que tinha vontade de romper a relação, pois estava triste com o rumo que as coisas tinham levado.

Uma amiga que também pediu para não ser identificada deu informações parecidas. Afirmou que depois que a jovem começou a namorar nunca mais elas saíram juntas. Entre os amigos em comum, a fama era que o namorado era explosivo e ciumento. #Casos de polícia