O #Crime aconteceu na manhã desta quinta-feira (6), em Goiânia. David da Silva Medrado, de 35 anos, que era técnico em informática, matou sua própria filha, uma criança de apenas 7 anos, feriu a ex-mulher, a ex-cunhada e a ex-sogra. E em seguida, cometeu suicídio. Ele não aceitava o término do casamento.

De acordo com a polícia militar, o homem teria esperado o ex-sogro sair de casa, logo pela manhã. David invadiu a casa com duas armas nas mão e saiu atirando.

Segundo um ex-cunhado do homem, o técnico de informática e a ex-mulher, Lidiane Gomes Reis Medrado, de 32 anos, já estavam separados há 8 meses. Porém, o homem não se conformava com o fim do relacionamento.

Publicidade
Publicidade

O irmão de Lidiane, que não quis se identificar, ainda informou que David era muito ciumento e não aceitava, de maneira nenhuma, a separação. Ele acredita que o crime teria sido motivado por isso.

Segundo o delegado Francisco Costa, que está à frente das investigações, existiam ainda outras duas crianças na casa e outra irmã de Lidiane que não foram atingidas pelos tiros.

O delegado informou que David pulou o muro, após o ex-sogro sair para comprar o pão, por volta de 5h45min. Depois que pulou o muro, ele entrou na cozinha. Ele utilizou duas armas em punho. A primeira vítima que ele achou foi sua ex-cunhada e atirou contra ela, se dirigiu até um quarto onde estavam Lidiane, a ex-sogra e a filhas. Ele atirou nas três com as duas armas e cometeu o suicídio em seguida. O delegado disse ainda que não houve qualquer tipo de discussão ou desentendimento, uma vez que ele já entrou atirando.

Publicidade

Dos tiros desferidos contra as vítimas, Lidiane recebeu três tiros:  no quadril, nas nádegas e de raspão na cabeça. A ex-cunhada, Lídia Gomes, de 29 anos, foi ferida no ombro, e a ex-sogra, Maria Reis, de 59 anos, também foi ferida, mas não se tem informação em que local teria sido atingida.  Lidiane e a irmã continuam internadas em estado grave. Maria Reis tem estado de saúde estável.

Costa contou também que já existia uma medida protetiva a favor da vítima, que determinava que David não poderia se aproximar da vítima e de sua família. Pois Lidiane recebera várias ameaças dele.

Até o fechamento desta matéria, não tivemos informações sobre o velório e enterro da filha do casal, de 7 anos, nem sobre o sepultamento do atirador.

#Casos de polícia