Um verdadeiro pente-fino está sendo feito pelo Instituto Nacional do Seguro Social (#INSS) aos auxílios-doença concedidos por meio de decisões judiciais. Segundo reportagem publicada no jornal 'Folha de São Paulo', por enquanto a média é de que 8 entre 10 casos analisados pela perícia do órgão contém algum tipo de irregularidade ou fraude. A estatística divulgada está levando em consideração apenas o primeiro mês que foi dado início nas revisões dos benefícios. Por enquanto, 82% dos 5000 benefícios analisados desde o início das revisões já foram cancelados. Inicialmente, a previsão era de que fossem cortados de 15% a 20% dos benefícios que seriam analisados.

Publicidade
Publicidade

O procedimento de checagem está fazendo com que seja transformado o #Auxílio-doença em aposentadoria por invalidez somente para os casos em que haja a confirmação de doença do beneficiário.

Metades das fraudes são de beneficiários que continuam trabalhando

A maioria das fraudes que estão sendo detectadas nas revisões que estão sendo feitas pelo INSS são de beneficiários que continuam trabalhando e não apresentam mais doenças que o impeçam de exercer alguma atividade. O que acentua ainda mais a fraude é que esses beneficiários que recebem auxílio-doença estão trabalhando e contribuindo para a Previdência Social, o que é terminantemente proibido na legislação brasileira.

Segundo reportagem da Folha, em alguns casos, os próprios beneficiários confessam aos peritos que estão trabalhando, como no caso de uma enfermeira  - beneficiária de auxílio-doença - que fez um pedido inusitado ao perito do INSS que a visitou no expediente de seu plantão e que exigiu que o perito fizesse sua perícia de forma mais rápida porque devia voltar logo ao seu posto de trabalho.

Publicidade

Outro dado relevante colhido nas perícias que estão sendo feitas, é que 20% dos beneficiários analisados nunca tinham feito recolhimentos ou não tinham feito o mínimo de contribuições exigidas para ter direito ao recebimento mensal do benefício.

Ordem das perícias

Inicialmente, as convocações estão ocorrendo em lotes. O primeiro lote de convocações são de beneficiários de até 39 anos que recebem auxílio-doença e que não tenham passado por nenhum tipo de exame pericial do INSS desde julho de 2014.

O segundo lote será de beneficiários de 39 a 45 anos e que também não tenham passado por perícia desde julho de 2014.

Lembrando que o não comparecimento às perícias pode levar à suspensão do benefício. #Governo