Marcus Vinicius Da Silva é soldado da PM do Rio de Janeiro e tem 28 anos, mas, além disso, ele também possui formação em #cabeleireiro. Após ver um barbeiro negando cortar os cabelos de uma criança, ele não pensou duas vezes e raspou a cabeça do menino. Depois disso, o ‘benfeitor’ se propôs a fazer mais nove cortes, tudo de graça!

O caso ocorreu no morro São Carlos, no Rio de Janeiro, e o barbeiro que negou fazer o corte no menino alegou ter ficado com medo de o fazer por questão de segurança, pois havia acabado de acontecer uma ação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ali na #comunidade. Ao ver a cena comovente, o policial, sem pestanejar, pegou a máquina e começou a cortar os cabelos da criança.

Publicidade
Publicidade

Depois disso, continuou a fazer a boa ação com outros moradores e ficou muito famoso.

O comandante da UPP de São Carlos, o Major Márcio Rodrigues, ficou muito orgulhoso da atitude do policial e disse que essa é a essência do trabalho que eles fazem, e, segundo ele, o soldado foi muito proativo e ainda afirmou que dá muito valor para a atitude dele.

Depois de ter suas fotos divulgadas na internet, Marcus fez sucesso, mas o que mais chamou a atenção de quem viu as imagens foi o momento em que ele fazia uma escova em uma policial da mesma tropa. Segundo ele, a foto foi feita após alguns dias dele ter atacado como barbeiro da molecada do morro. O fato ocorreu no intervalo do almoço. “...brinquei com elas que era para não dizerem que só faço o cabelo do pessoal da comunidade”, disse ele, contando como acabou fazendo o serviço profissional da policial, sua colega.

Publicidade

Marcus trabalhava no salão de cabeleireiro da irmã quando era mais novo, onde, depois, resolveu até mesmo se profissionalizar, com vários cursos. Mas, depois, foi buscar um emprego mais estável, foi quando resolveu seguir carreira militar. Hoje, ele é casado, possui três filhos e se considera ainda um verdadeiro cabeleireiro e um profissional de segurança pública também.

“Se tiver combate, vou para o combate, mas não e só de tiro que o morro vive”, afirmou o soldado, todo orgulhoso, mostrando como ainda vive o sonho de trabalhar com a profissão que também ama. #Casos de polícia