No último sábado (01), na véspera das eleições, a diretora de uma escola estadual no Guarujá, litoral de São Paulo, foi duramente agredida por dois rapazes que entraram na unidade. Ela estava no local aguardando a chegada das urnas eleitorais, uma vez que a escola seria uma das sedes de votação naquele fim de semana.

Os jovens desconhecidos por ela entraram na unidade pedindo para beber água, e ela os advertiu que eles não poderiam entrar ali, pois as urnas já estavam chegando. Eles saíram, mas depois retornaram anunciando um suposto assalto. As pancadas foram tão violentas que a mulher sofreu traumatismo craniano. O crime foi registrado em boletim de ocorrência e a mulher atendida em uma Unidade de Pronto Atendimento Regional.

Publicidade
Publicidade

Ao que tudo indica, o ataque teria sido uma retaliação depois que a diretora anunciou que denunciaria ao Ministério Público as irregularidades que estava presenciando na escola. Ela sempre trabalhou no ensino público, cerca de 30 anos, e se mudou para a Baixada Santista neste ano. Com a sua presença, a Escola Estadual Vicente de Carvalho, no Centro do Guarujá, atingiu o maior Ideb entre as escolas paulistas.

Segundo a diretora, ela foi muito bem recebida pelos alunos e professores, porém outra mulher que antes ocupava o cargo de gestora teve que passar a ser vice-diretora, e alguns conflitos surgiram a partir de então. Recém chegada, ela começou a notar diversas irregularidades no repasse de verbas, e decidiu que ia colocar tudo em pratos limpos com a Secretaria de Educação.

Seriam três as principais anormalidades encontradas na antiga gestão da escola: notas fiscais falseadas, declaração de patrimônio da escola falso e desvio de verbas.

Publicidade

Nas notas fiscais da merenda recebida pelo estabelecimento de ensino constava que chegavam até a escola diversas qualidades de frutas e verduras que na realidade nunca foram recebidas.

A outra irregularidade diz sobre o patrimônio. Na declaração, dizia que o local possuía quatro televisões, microscópio, e livros que não existiam. E por último e o pior dos problemas, o desvio de verbas. Segundo professores antigos, a prestação de contas apresentada pela antiga gestão não está de acordo com os serviços que foram prestados à escola. Ao que parece, bastante dinheiro foi desviado.

Segundo as investigações policiais, a agressão ocorreu por volta das 14h e, ao que tudo indica, os dois jovens ‘desconhecidos’ estavam na verdade acompanhando a vice-diretora e antiga gestora. Isso porque enquanto os dois rapazes espancavam a mulher, a outra teria apenas ficado assistindo a cena.

O #Crime foi denunciado na Secretaria de Educação e a diretora realizou exame de corpo de delito. Ela está afastada, mas pretende voltar. A outra mulher também registrou queixa na polícia e disse que também sofreu com o assalto e que teve o celular roubado. A polícia investiga as duas versões para esclarecer os fatos. Já a denuncia sobre as irregularidades será apurada pela Secretaria Estadual de Ensino. #Investigação Criminal