A fisioterapeuta Caillane Marinho, de 27 anos, foi encontrada morta na manhã do último domingo (09) no quarto de sua própria residência, em Vianópolis, região sul de Goiás. O principal suspeito é o engenheiro agrônomo Diego Henrique Lima, de 30 anos, namorado da vítima, que teria deixado uma carta escrita dias antes de ela ser assassinada.

A Polícia Civil, que investiga o caso, divulgou nesta sexta-feira (14) a carta em que o homem pede desculpas à jovem, dizendo que a amava e alegando que não a merecia. No texto longo, ele descreve nuances do relacionamento dos dois e diz se sentir culpado por ter deixado o relacionamento acabar.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o delegado que cuida das investigações do #Crime, Marcos Vinícius Costa, a carta foi entregue pela mãe de Caillane à polícia.

O material teria sido entregue pela filha semanas antes de ser morta pelo companheiro, e a mãe não sabe precisar exatamente o dia, mas as suspeitas da polícia são de que a carta tenha sido escrita depois de uma briga do casal.

A jovem foi encontrada morta na casa onde morava com o suspeito há cerca de dois meses. O corpo tinha sinais de tiros na cabeça, e marcas de violência. Na carta direcionada a Caillane, ele diz que escrevia com sinceridade e nunca tinha sido bom em dar satisfação dos seus atos. Além disso, reitera que estaria aguentando as confusões do relacionamento porque a amava e que entendia se ela continuasse em dúvida sobre o futuro dos dois.

Publicidade

De acordo com o serviço de perícia realizado no local do crime, que ainda não foi finalizado, foram encontrados oito registros de armas em nome de Diego. Todo o material estava guardado em uma espécie de arquivo. Ao que consta, a documentação que atestava posse das armas estava atrasada e com inúmeras irregularidades.

No quarto em que estava o corpo da moça, foi encontrado um cartucho de revólver 38, e marcas de outros dois disparos. Ainda não se sabe qual das armas sob posse dele foi a usada para matar a namorada. O homem já teria sido preso por porte ilegal de armas em 2013, no sul de Goiás.

Caillane deixou uma filha de sete anos e uma família chocada e revoltada com o crime. Testemunhas disseram que os dois sempre tiveram um relacionamento conturbado. Ao que consta, Diego era muito ciumento. O casal estava junto há seis meses e morando junto há dois. Amigos disseram que já tinha um tempo que a jovem queria terminar a relação e que as pessoas próximas a ela não gostavam do homem, pois ele tinha reações muito violentas.

Foi o pai de Diego, através de um advogado, que denunciou o crime à polícia. O filho teria pedido ajuda depois de cometer o assassinato. Diego disse à polícia que se entregará em momento oportuno. O corpo da jovem foi enterrado nesta última terça-feira (11) e a família pede justiça. #Investigação Criminal