Os bandidos estão cada vez mais criativos na hora de fomentarem seus projetos. De acordo com uma reportagem publicada neste sábado, 01, pelo site da Revista Veja, os criminosos do Complexo de favelas do Salgueiro, em São Gonçalo, está adotando uma estratégia inusitada para conseguir traficar drogas pela região. O local acabou virando uma das bases principais do Comando Vermelho (CVV) depois que comunidades locais foram pacificadas, recebendo as chamadas UPPs. No momento em que os policiais estavam tentando levar segurança para o estado do Rio de Janeiro, o #Crime continuava a avançar, mas por outra fortaleza. 

O local ainda existe e é chamado de 'Bunker', uma espécie de quartel general dos traficantes.

Publicidade
Publicidade

No entanto, o esconderijo foi descoberto no dia 26, quando o traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, foi perseguido e morto. Ele ficou conhecido no noticiário nacional por ser "salvo" de um hospital carioca por bandidos. Na ação, um inocente acabou sendo preso. Fat Family foi assassinado pela Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Imagens da região acabaram sendo conseguidas pelos agentes e mostram como o 'Bunker' do crime tomou proporções inimagináveis. A área extremamente vasta tinha até uma camuflagem dos bandidos. 

Vale tudo para ganhar dinheiro com o crime no Rio de Janeiro

Segundo a Veja, os criminosos usavam roupas para não serem reconhecidos. O objetivo era conseguir se embrenhar na mata durante ações da PM contra o tráfico de drogas. A roupa é conhecida como Traje Ghillie (Ghillie Suit, em inglês), sendo idealizada no início de 1900 na Escócia.

Publicidade

Ela acabou sendo utilizada na caça e, mais tarde, por snipers, os atiradores de elite, que conseguem passar desapercebidos em ambientes diferentes. 

As roupas especiais usadas foram confirmadas pelo delegado que comandou a ação que terminou na morte de Fat Familty, o delegado Fabrício Pereira. A roupa varia de preço, indo de R$ 220 até R$ 600. O traje pode ser encontrado facilmente em sites de busca, o Google.  #Investigação Criminal