Um homem foi morto a tiros na noite de quinta-feira (06), a vítima foi identificada como cobrador de dívidas, Laudelino Titto de 50 anos. O corpo da vítima foi encontrado dentro de uma caminhonete — Hilux SW4 preta —, na BR-163, em Sorriso, perto de Cuiabá (MT). Segundo testemunhas o #Crime ocorreu por volta da 1 hora da madrugada.

Laudelino Titto tinha dezenas de passagens pela polícia e em uma das suas prisões, em 2013 na cidade de Primavera do Leste; foi preso logo após procurar um fazendeiro, na cidade de Nova Ubiratã, para receber uma dívida que o fazendeiro tinha com uma empresa. Na época, o fazendeiro descreveu em seu boletim de ocorrência que sete pistoleiros todos armados, entre eles Laudelino, invadiram sua fazenda com vários caminhões e o obrigaram a entregar parte de sua produção de soja.

Publicidade
Publicidade

Titto tinha inúmeras passagens pela polícia por tráfico de drogas e porte ilegal de arma.

Veja o vídeo abaixo logo após o crime:

Uma testemunha, que passava na hora do crime, relatou a polícia que viu um carro branco saindo do local onde tudo ocorreu. Equipes da Politec estiveram no local para recolher pistas sobre o crime, segundo os peritos as primeiras suspeitas é que a vítima teria tentado escapar dos assassinos. Pois, o carro que a vítima estava atravessou a pista do lado contrário e bateu em uma proteção às margens da BR. Ao longo da pista os peritos encontram diversas capsulas deflagradas de pistola 380, uma arma de fácil manuseio.

De acordo com o delegado responsável, Pablo Borges, os policias estão procurando imagens de vídeo monitoramento da região. As imagens podem ajudar a polícia a identificar os autores do crime, através delas é possível colher informações necessárias para uma investigação policial.

Publicidade

“Estamos atrás de testemunhas e de imagens do circuito das empresas, próximas ao local onde o crime aconteceu”, relata o delegado. O caso foi registrado na Delegacia Civil de Sorriso, que está com um inquérito policial aberto, na tentativa de localizar os envolvidos no crime. #Casos de polícia #Morte