A polícia está empenhada em identificar e prender os assaltantes de uma casa lotérica no Distrito Federal.

O #Crime aconteceu na última quinta-feira (29) e chamou a atenção por dois detalhes: os bandidos usaram uma marreta para a ação e uma mãe que estava terminando de fazer uma operação num dos guichês se deitou no chão, sobre o filho pequeno, para protegê-lo do pior.  

Tudo aconteceu rapidamente, em menos de dois minutos e as imagens foram gravadas pelo circuito de monitoramento interno de segurança da casa lotérica. Com o vídeo, que está sendo divulgado na internet, a polícia pretende chegar mais rápido até os bandidos por meio de reconhecimento.

Publicidade
Publicidade

Foram, ao todo, três assaltantes que se envolveram no crime. O prejuízo do estabelecimento foi calculado em aproximadamente R$ 1 mil.

No vídeo é possível ver que os criminosos usaram uma marreta para quebrar os vidros que separam o público dos funcionários. A casa lotérica fica na quadra 1, da região conhecida como Estrutural, no Distrito Federal. Além da marreta, a quadrilha portava revólveres.

O trio entrou no imóvel bem na hora em que uma mulher com um bebê de colo finalizava uma operação. Chocada ela teve como primeira reação se abaixar e proteger a criança.

Para consumir o crime, os ladrões bloquearam a saída dos funcionários. Depois de destruir com a marreta o vidro de um dos guichês, um dos meliantes derrubou um pedaço da proteção e abriu espaço para que outro bandido entrasse para o ladro interno, onde estava o dinheiro.

Publicidade

Um terceiro assaltante vigiava a porta e dava cobertura para os comparsas.

Pelas imagens registradas pelo estabelecimento é possível ver também que o assaltante que pulou para o interior do espaço reservado à caixa registradora entrega o dinheiro aos companheiros. Foram momentos intensos e o trio precisou de menos de dois minutos para fugir do local após a invasão.

Apesar do pânico, nenhuma pessoa ficou ferida. Até o momento, nenhum dos assaltantes foi preso e a polícia ainda não tem pistas do paradeiro deles.

#Casos de polícia