Nesta sexta-feira, 27, um vídeo de #sexo em plena Câmara de Vereadores em Guarulhos, São Paulo, causou grande polêmica nas redes sociais. O casal de estudante tinha invadido o espaço dizendo que lutam por uma melhor educação na cidade. O prédio está ocupado desde o dia 20 por esses e outros manifestantes. De acordo com informações do portal de notícias G1 em reportagem publicada nesta quinta-feira, 27, a cena foi gravada por câmeras de segurança do local. Nas imagens, inicialmente, o casal está deitado abraçado nas cadeiras da Câmara. Em seguida, a garota sobe em cima do rapaz e começa a rebolar em cima do companheiro. Ele então tapa a moça com um lençol e aí inicia a relação sexual em si. 

De acordo com o presidente da Câmara, Professor Jesus Roque Freitas, do Democratas, ele teve conhecimento do vídeo, mas não o assistiu.

Publicidade
Publicidade

Jesus revelou que já pediu a reintegração de posse do espaço público na justiça. Ao todo, cerca de 50 estudantes do ensino médio estão no local. Eles protestam contra a chamada PEC 241, que permite o governo federal de limitar gastos nas mais diversas áreas, como saúde e educação. A Constituição federal obriga que o governo dedique um percentual mínimo de gastos para ambas as áreas.

Ao que se sabe, a cena de amor foi realizada na parte de cima do plenário. É nela que o público costuma ficar quando ocorrem votações importantes. Enquanto o casal tem relação sexual, uma criança chega a passar ao fundo. Ela estaria junto com os manifestantes, como mostra uma reportagem do G1. A atitude dos estudantes pode ser considerada atentado ao pudor, já que foi realizada em um local público e até uma criança pode ter visto a cena de sexo.

Publicidade

A idade e os nomes dos estudantes envolvidos na sequência não foram reveladas. 

O grupo de manifestantes diz que não tem um líder e que não vai cair em tentativas que querem tirar a legitimidade do movimento. O grupo ainda chamou o episódio de "risível" e sem nenhuma importância, quando comparado ao que eles estão reivindicando, que é anulação da aprovação da PEC.  #Crime