Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra um flagrante de espancamento que ocorreu na madrugada desta quinta-feira (20), na avenida Visconde de Souza Franco, em Belém, no Pará.

Nas imagens, aparecem taxistas agredindo uma pessoa que está caída no chão, em local próximo da esquina da Rua Boaventura da Silva, bairro do Umarizal.

O que mais impressiona na cena é a postura dos policiais militares que estavam no local e observaram toda a ação sem fazer nada para impedir a agressão.

A cooperativa à qual pertencem os taxistas que aparecem no vídeo admitiu que alguns de seus cooperados participaram da agressão, e que o motivo do espancamento foi que a vitima assaltou um dos motoristas que trabalha na mesma praça.

Publicidade
Publicidade

No vídeo é possível ver que a vítima é agredida por pelo menos seis taxistas que distribuem chutes, socos, chegando até a arrastar a travesti pelos cabelos.

O morador que não quis se identificar e que filmou toda agressão foi acordado por volta das cinco horas da manhã pelos gritos de socorro. E de acordo com o próprio, enquanto os taxistas estavam agredindo a vítima, pessoas que passavam pela avenida começaram a se aglomerar para observar a cena, assim como os policiais que estavam próximos da vítima. Ninguém fez nada para impedir as agressões.

Taxistas tentam justificar as agressões

De acordo com a assessoria da cooperativa dos taxistas, a pessoa que foi agredida era uma travesti integrante de uma gangue de assaltantes que agia na região e que a mesma teria participado de outros delitos, portanto não seria o primeiro caso de roubo contra taxistas que ela teria cometido.

Publicidade

O bando solicitava uma corrida para o taxista e, no momento do pagamento, cometia o assalto. Nesta madrugada, os motoristas reconheceram a travesti e a perseguiram até a referida esquina onde ocorreu toda agressão.

A assessoria dos taxistas também disse que "repudia qualquer tipo de violência e por esta razão chamou os cooperados envolvidos junto ao setor de ética para pedir explicações", mas que não registrou a ocorrência de tentativa de roubo para a que imagem da cooperativa não fosse prejudicada. #Ataque #Casos de polícia #Homofobia