Uma sequência impressionante de imagens mostra um duplo homicídio em que as vítimas são pai e filho e morrem lado a lado, em frente ao portão da casa onde moram, em Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense.

As cenas parecem ter sido retiradas de um circuito de monitoramento de segurança da rua, que fica no bairro Carmari.

O vídeo foi enviado por WhatsApp para o Jornal Extra, no Rio de Janeiro. As imagens também estão em poder da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), que investiga as duas execuções.

Impressiona o fato de que as duas vítimas foram executadas com tiros de fuzil, na porta de casa, por um homem vestido todo de preto e com o que parece ser uma máscara ninja, para não ser identificado.

Publicidade
Publicidade

O vídeo já está circulando nas redes sociais e repercutindo pelo teor chocante de seu conteúdo.

As vitimas são Marcus Vinícius do Nascimento Campos, de 31 anos de idade, e seu pai, o aposentado José Marques Campos, de 62 anos de idade. Eles aparecem sem camisa, conversando com um outro homem, de camiseta clara, que tem pendurado em seu ombro o que parece ser um fuzil. Eles conversam quando, de repente, uma das vítimas cai, abatida pelo primeiro tiro disparado pelo homem de preto. Quem cai primeiro é Marcus Vinícius.

O assassino caminha em direção ao seu segundo alvo. O idoso tenta escapar, mas não consegue e cai na sequência. Ambos morrem na hora.

Depois de conseguir seu objetivo, o assassino de preto caminha normalmente e verifica se a segunda vítima está realmente morta. Depois vai embora, ao lado do indivíduo que estava conversando com o pai e o filho antes da execução.

Publicidade

Os corpos ficam estirados no solo a cerca de três metros de distância.

De acordo com informações da Polícia Civil, logo após o crime, a perícia no local foi realizada. Ainda segundo as autoridades policiais, um profundo trabalho de investigação segue em andamento, inclusive com diligências, no sentido de esclarecer o #Crime.

Por enquanto, não há pistas dos nomes dos criminosos e nem sobre os seus paradeiros.

#Casos de polícia