Infelizmente mais uma história trágica envolvendo o esquecimento de uma criança dentro de um veículo, aconteceu nesta quarta-feira (23), na cidade de Araçatuba, interior de São Paulo.

De acordo com o portal de notícias online G1, o pai da criança esqueceu que o filho estava dentro do carro e estacionou o veículo proximo ao seu local de trabalho. O bebê ficou aproximadamente cinco horas trancado no automóvel e infelizmente veio a óbito. Saiba mais aqui.

Pai esquece bebê de cinco meses no carro

O pai do bebê, tem 25 anos, ele foi levado a delegacia pela Polícia Civil, onde prestou depoimento e foi liberado. Segundo o delegado responsável pelo caso, Marcelo Cury, o pai da criança vai responder por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

Publicidade
Publicidade

Durante o depoimento o homem afirmou que saiu de casa como fazia todos os dias, deixou o filho mais velho de cinco anos na creche e deveria ter levado o bebê para a casa da sogra. Porém, nem ele mesmo sabe como esqueceu de deixar o filho com a avó materna e acabou seguindo direto para o trabalho.

O homem estacionou o carro em uma rua pouco arborizada e quase sem nenhuma sombra e seguiu para o serviço sem se dar conta que o bebê continuava na cadeirinha no banco de trás do automóvel.

Bebê foi encontrado desacordado

Ainda de acordo com o depoimento do pai, ao retornar para o carro, aproximadamente cinco horas depois, ele encontrou o filho desacordado. O próprio pai socorreu o filho e foi direto para o pronto-socorro da cidade com o bebê.

A equipe médica que atendeu a criança, afirmou que ela chegou com vida ao local, mas não resistiu e faleceu logo em seguida.

Publicidade

Foram feitas todas as manobras de ressuscitação, mas sem sucesso. Não foram constatados nenhum tipo de indicio de agressão contra o bebê, infelizmente foi uma fatalidade, informou o cabo da Polícia Militar Fabiano Sonego Bodo, que acompanhou o atendimento.

O que diz a lei

De acordo com o delegado, Marcelo Cury, este tipo de caso é muito triste e delicado. “Tem uma norma que diz que o próprio fato já pune o autor, então o juiz deixa de aplicar a pena". Marcelo afirma que a maior pena que poderia ser aplicada a um pai é a perda de um filho.

Ele disse que nos seus 27 anos de carreira, foi a primeira vez que lidou com uma situação assim. Marcelo Cury contou que tem dois filhos e que se emociona ao pensar na dor que este pai está vivendo. #Família #Casos de polícia #Bebês