Na noite desta sexta-feira, 25 morreu #Fidel Castro, um dos nomes mais importantes da esquerda mundial, ídolo de políticos como os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Ele tinha noventa anos e morreu dormindo. As causas do falecimento não foram reveladas. O anúncio da notícia mais importante para Cuba da última década foi feito pelo irmão de Fidel e atual governante cubano, Raul. Ele usou a televisão estatal para fazer um comunicado nas primeiras horas deste sábado, 26. Logo confirmado óbito, dezenas de líderes por todo o mundo comentaram sobre este fato.

No Brasil, enquanto Lula e Dilma lamentavam a #Morte de quem chamaram de exemplo, o deputado #Jair Bolsonaro, ainda filiado ao PSC, mas que tenta mudança de partido, comemorou a informação.

Publicidade
Publicidade

De dentro de seu carro, ele gravou um vídeo que rapidamente atingiu um milhão de exibições. Nele, o pré-candidato à presidência do Brasil nas eleições de 2018 diz que Fidel não precisa ser cremado, ironizando parte do comunicado lido por Raul, que diz que o velório do representante da esquerda deve demorar alguns dias. Segundo Bolsonaro, ele arderia no inferno, já que levou o caos ao mundo.

Jair acusa Fidel de estimular mazelas, além da falta de liberdade e democracia em Cuba. Durante seu governo, segundo informações da TV Globo, estima-se que pelo menos doze mil pessoas contrárias à sua gestão tenham sido fuziladas. Mídias independentes foram fechadas e a ilha rompeu ligações com os Estados Unidos. Segundo Bolsonaro, partidos políticos brasileiros, como o PT e o PC do B, em breve, também estariam no inferno.

Publicidade

Muitos internautas apoiaram tamanha sinceridade do político da extrema direita brasileira. Já outros acreditaram que esse não era o melhor momento para se fazer isso. Certo mesmo é que a fala de Jair acabou sendo compartilhada pelos odiadores e amantes de Fidel, que morre, mas continuará sendo lembrado nos livros.

Veja abaixo o vídeo que mostra o depoimento de Jair Bolsonaro sobre a morte do ex-ditador Cubano, Fidel Castro.