Neste sábado, 05, começaram a ser divulgadas fotos chocantes de caixões abandonados no Rio de Janeiro. De acordo com uma reportagem do jornal carioca Extra, moradores da região de Campo Grande, na Zona Oeste da cidade, já estavam acostumados a encontrarem muito lixo nas ruas, especialmente em terrenos baldios. No entanto, dessa vez, eles se chocaram ao verem caixões abandonados e abertos nas ruas. Muitos estavam com marcas de sangue. Nenhum deles estava com qualquer corpo ou resto mortal. Isso intrigou muito os moradores da região, afinal, o que teria acontecido com os cadáveres?

Muitos dos caixões tinham até os nomes dos seus donos.

Publicidade
Publicidade

As imagens começaram a ser compartilhadas no Facebook. "Meu Deus, isso pode ter sido um ritual satânico", especulou um dos moradores da cidade. Os acessórios mórbidos estavam em terrenos baldios. Em uma página na rede social dedicada ao público de Campo Grande, as imagens foram compartilhadas em mais de quinhentos perfis diferentes, mostrando como o fato acabou chamando a atenção dos cariocas. "Acredito que as autoridades deveriam fazer uma ampla investigação a respeito de tudo isso", escreveu uma das seguidores da primeira página que divulgou as imagens. 

Para muitos dos cariocas, os caixões largados nas ruas do Rio de Janeiro demonstravam que por ali teve um ritual satânico. Já para outras pessoas, os acessórios poderiam ter sido roubados, já que foram largados de qualquer forma. Mas afinal, quem roubaria algum cadáver, será que levaram alguma joia ou dinheiro guardado por ali? De acordo com o jornal Extra, a Polícia Militar afirmou, através de uma nota, que está investigando o caso.

Publicidade

Os policiais que estão à frente do caso são do Batalhão local. 

Diferente do que mostram as imagens e do que disseram muitos moradores, a Polícia diz que não havia qualquer sangue ou marca de identificação nos caixões. Agora os agentes perguntam na vizinhança sobre possíveis pistas que possam levar a quem colocou os acessórios na região. Não há reclamação de qualquer funerária.  #Crime #Investigação Criminal