A Aviação Civil da Colômbia já está considerando como uma das principais causas do #Acidente com o avião que levava a delegação da Chapecoense, o fato do combustível ter acabado em pleno voo. O time estava indo para Medellín, mas o avião acabou caindo em uma região montanhosa, de difícil acesso e poucos foram os que sobreviveram à queda.

Alfredo Bocanera, responsável pela Agência de Aviação Civil local, informou que as investigações ainda serão realizadas, mas em um primeiro momento a falta de combustível tem sido apontada como uma das causas mais prováveis para o acidente com o avião.

No início da manhã, autoridades colombianas haviam informado que a queda do avião se deu por causa de uma pane elétrica e a atitude do piloto foi esvaziar os tanques, que é um procedimento padrão para garantir a segurança de todos.

Publicidade
Publicidade

Agora, já se fala que não foi bem isso, que o piloto não teve que esvaziar os tanques, pois faltou combustível e isso é que causou a falha elétrica.

O avião foi localizado pouco tempo depois da queda, ainda de madrugada, na região de Cerro Gordo, próximo a La Unión, que fica a 30 quilômetros do aeroporto, sendo um local montanhoso, que exigiu muito da equipe de resgate. Ao chegar no local da queda, não foi detectado sinais de explosão e sete pessoas teriam sido resgatadas com vida, mas nem todas, infelizmente, sobreviveram, vindo a falecer pouco depois.

Ao todo, 76 pessoas morreram e esse já é considerado o pior de todos os acidentes da história do futebol brasileiro. Carlos Iván Márquez, responsável pela Unidade Nacional de Gestão de Risco daquele país, informou que poucas pessoas sobreviveram pelo fato do avião não ter explodido, do contrário, não haveria a menor chance de encontrar alguém com vida.

Publicidade

O avião que caiu é o mesmo que a seleção da Argentina usou para voar até aqui no Brasil, onde jogou pelas eliminatórias da Copa do Mundo do ano que vem. A aeronave está há 17 anos em uso e tem capacidade para 95 pessoas, sendo popularmente conhecida por Jumbolino.

A empresa aérea responsável pelo avião tirou o site do ar e também suas redes sociais, mas independente disso, ela será investigada. #Tragédia #Futebol