Nesta sexta-feira, 04, um vídeo começou a ser divulgado nas redes sociais e provocou muita polêmica. Ele mostra duas crianças dançando funk. O que espanta na publicação é o modo como os dois menores de idade se comportam. A garotinha rebola bastante e o menino parece gostar bastante do que acontece. Não é possível dizer ao certo se as crianças realmente são brasileiras, ou se houve alguma desvirtuação do contexto das imagens. No entanto, há outras pessoas em volta dos dos protagonistas do vídeo, que não dão qualquer reprovação a tudo o que acontece. 

Apesar da proibição não existir no momento, na #Internet muita gente acabou sendo toda a reprodução. "É isso aí vadia, quando engravidar vai ser difícil identificar o pai da criança", diz um dos internautas.

Publicidade
Publicidade

'Isso não teve família que ensinasse ela a ser mulher de verdade. Isso ai é o lanchinho da madrugada na mão de vagabundo", completou outro na rede social. "Isso já ultrapassou a conduta animal, a bestialidade. Está do jeito que o governo e o diabo gosta", completou outro no Facebook. 

Apenas em uma das páginas, o vídeo já tem mais de 50 mil exibições. "Isso não teve família, não tem mão ou pai. Essa criança deve estar toda corrompida", completou mais uma. 

Não é a primeira vez que isso acontece no Brasil ou em outros países. Constantemente, imagens de menores em danças ou situações sensuais ou sexuais são compartilhadas na grande rede. Isso costuma sempre provocar revolta. É preciso saber o quanto isso pode provocar qualquer mal à criança. No Brasil, existe uma legislação que não permite que as crianças sejam maltratadas.

Publicidade

"Acho que um país deveria dar mais atenção a essas coisas. Isso é um mal muito grande para essas pessoas", disse uma das pessoas na rede social. Agora basta saber o que vai acontecer depois que esse vídeo vai ganhando cada vez mais repercussão. 

Veja abaixo o vídeo que mostra a dupla de crianças que está provocando grande polêmica nas redes sociais. O que você achou do vídeo? Comente e compartilhe esta história. 

#É Manchete!