A tarde desta terça-feira (22), foi marcada por protesto em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Durante as manifestações, já do lado de fora, uma briga terminou com um homem sacando uma arma. Pelas imagens, é possível ver que ele usava calça jeans e camisa vermelha, e que portava um crachá com as insígnias da Polícia Civil.

A briga teria começado porque um bombeiro que estava sem o uniforme teria tentado urinar em local proibido e na presença de várias mulheres ao redor. Diante da cena o Policial Civil começou a discutir com o indivíduo e a briga iniciou. Durante o tumulto, o policial chegou a sacar a arma que portava.

Publicidade
Publicidade

Algumas pessoas que estavam no local gravaram a cena, outras tentaram segurar o agente na tentativa de apaziguar a briga.

Veja as imagens da confusão:

A assessoria de imprensa da Polícia Civil disse que enviará as imagens para a Corregedoria da instituição da tentativa de identificar o policial.

Os protestos em frente à Alerj aconteceram por volta das 15h, quando os deputados estaduais discutiam o pacote de austeridade para tentar amenizar a crise que assola os servidores públicos e as contas do Estado do Rio. Pessoas presentes nas galerias protestaram gritando contra o pacote de medidas que tentava ser aprovado na sessão.

A votação chegou a ser interrompida inúmeras vezes pelas manifestações dentro do prédio. O protesto é unificado e reúne policiais militares e civis, bombeiros, agentes penitenciários, servidores do judiciário, da saúde e da cultura.

Publicidade

Hoje antes que as pessoas chegassem à frente do edifício, um cerco com grades e diversos militares já estavam formados. Alguns PM’s inclusive saíram de suas posições para pedirem os manifestantes para agirem de forma tranquila.

As manifestações em torno do pacote de reajuste no Rio de Janeiro têm sido marcadas por embates e enfrentamentos com repressão e brigas. O Estado do Rio passa por uma de suas piores crises, a maioria dos funcionários do estado ainda não receberam o salário de novembro e deverão receber em parcelas. #Crime #Casos de polícia