A tarde desta segunda-feira (28) é de revolta no Twitter, pois Eduardo Paes, prefeito do #Rio de Janeiro, sancionou a lei que proíbe o funcionamento do Uber na cidade. Na verdade, a lei proíbe todo e qualquer transporte remunerado de passageiros na cidade maravilhosa, mas o Uber certamente é o mais atingido pela determinação. E a lei 6.106, de 25 de novembro, já está valendo porque foi publicada no Diário Oficial.

A partir de agora, de acordo com a lei, todos os veículos já passam por fiscalização que será realizada pelo próprio município. A intenção é impedir a prática do transporte remunerado, seja pelo Uber ou de qualquer outra forma.

Publicidade
Publicidade

E vale ressaltar que aqueles que descumprirem a lei vão ter que responder às penalidades duras. Apenas o município poderá legalizar os veículos que cuidarão do transporte público individual remunerado de passageiros, sendo que os taxistas continuam funcionando como antes, uma vez que a categoria está regulamentada pela Lei estadual de número 6.504.

No dia 16 de novembro a Câmara do Rio de Janeiro aprovou o projeto que proíbe, entre outros, o funcionamento do Uber, sendo que em agosto do ano passado os vereadores já tinham se posicionado contra o aplicativo, só que a empresa entrou na Justiça em abril deste ano e conseguiu uma liminar autorizando o serviço, desde que os motoristas fossem credenciados e a determinação estaria valendo somente até o momento em que o Poder Público decidisse sobre a questão.

Publicidade

O Uber já avisou que vai continuar operando no Rio de Janeiro normalmente, pois o prefeito Eduardo Paes está indo contra a decisão da Justiça que garantiu à empresa o direito de realizar suas atividades sem nenhum problema. Ainda de acordo com o Uber, Eduardo Paes estaria indo contra a vontade de mais de 1 milhão de usuários.

Hoje no Rio de Janeiro há um número muito grande de pessoas que utilizam o Uber e preferem muito mais o serviço do que o serviço de táxi oferecido pela cidade e são muitos os motivos. Por causa disso há muitos internautas no Twitter principalmente protestando contra a proibição do aplicativo.

#Polêmica #Política