As comunidades cariocas Nova Holanda e Parque União, ambas do Complexo da Maré, são os novos maiores mercados de distribuição de cocaína no Rio de Janeiro. A avaliação é de que a maior facção criminosa do Rio arrecade mais de R$ 1 milhão semanalmente no entreposto que se tornou o principal do grupo.

As investigações são realizadas pela Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), e de acordo com as informações, um quilograma de pasta base vinda pelas fronteiras do País é comprado por aproximadamente R$ 14 mil. Após isso, no complexo, ocorre a produção da cocaína, na qual é realizado o processo de mistura desta pasta a outras substâncias em refinarias improvisadas no local.

Publicidade
Publicidade

O lucro de mais de 350% provém da venda de 6.400 pinos que são comercializados a R$ 10 cada um, rendendo R$ 64 mil.

Pelas vias expressas que contornam ambas as comunidades, a droga é distribuída para outras localidades, chegando até mesmo ao interior do Estado. Tudo é anotado minunciosamente e controlado pela facção, como foi verificado em documentos aprendidos pela delegacia durante ação na Maré.

Além disso, o local tornou-se também abrigo de bandidos foragidos, como foi o caso do Fat Family (Nicolas Pereira de Jesus), que foi morto dois meses atrás. A operação de busca deste criminoso levou a polícia trocar tiros por horas na região para pegar o bandido.

Em Nova Holanda, a DCOD achou uma refinaria improvisada em uma ruela bem próxima à Rua Teixeira Ribeiro. Lá foram encontrados 300 mil pinos para embalar a droga, além de 30 kg de maconha, frascos de lança-perfume e sacolés de cocaína.

Publicidade

Ampolas de adrenalina também foram encontradas no local, a substância é usada para aumentar os efeitos da droga.

Antigos postos

Nova Holanda e Parque União substituem os antigos grandes entrepostos do grupo criminoso, que eram o complexo do Alemão e o Chapadão. No Alemão, a operação teve de ser deslocada por conta da instalação das Unidades de Polícia Pacificadora. No chapadão as operações para fabricação da cocaína também perderam força por conta de incursões policiais no local. #Crime #Investigação Criminal