O cantor Evandro Mesquita é, sem dúvidas, um representante da música popular bastante conhecido em todo o Brasil. Por conta disso, tudo o que ele diz pode acabar reverberando bastante, especialmente no público jovem. Uma postagem feita pelo artista voltou a repercutir neste sábado, 05, graças à uma matéria do site 'Folha Política', que garante que Mesquita chamou diversos Senadores brasileiros de 'verme'. Entre eles, alguns nomes do Partido dos Trabalhadores (PT), como Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, muito atuantes durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, que acabou perdendo o mandato. 

O xingamento de Evandro envolve doze nomes.

Publicidade
Publicidade

Esses nomes teriam assinado uma petição contra o trabalho do juiz federal Sérgio Moro, que está à frente da Operação Lava Jato. O magistrado foi alvo de pedidos para que ele deixasse a investigação, especialmente a que gira em torno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se diz perseguido. Apesar da publicação repercutir agora, pudemos apurar que o texto, na verdade, é do mês de maio, uma época muito turbulenta para a política brasileira. 

Mesmo assim, na rede social de Evandro, que não tem uma página oficial, mas que publica vídeos e fotos exclusivas dele, não faltaram elogios em torno da atitude dele. "Muito bem, amigo. É isso aí. A gente tem que chamar a atenção para tudo o que acontece no país", disse um dos seguidores do artista que fez muito sucesso durante a década de 1980.

Publicidade

 "Esse povo é todo podre. Uma corja de gente que diz querer ajudar o pobre, quando na verdade, apenas estão sugando tudo dos pobres", completou outro. 

É bom lembrar que meses depois da publicação de Mesquita, o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva e Sérgio Moro continuam envolvidos na polêmica da Lava-Jato. Recentemente, o petista disse que o juiz federal está mentindo a respeito do apartamento no Guarujá, no litoral de São Paulo. O companheiro político de Dilma Rousseff argumenta que jamais comprou a propriedade. Mesmo assim, ele virou réu oficialmente na investigação.