Mais de 1 milhão de benefícios do Bolsa Família apresentaram algum tipo de irregularidade e por isso o #Governo já providenciou o cancelamento de 469 mil, além de bloquear outros 667 mil. A decisão gerou uma tremenda discussão nas redes sociais e o assunto foi parar entre os assuntos mais comentados do Twitter nesta segunda-feira (07).

Os usuários do Bolsa Família que foram bloqueados terão o prazo máximo de 3 meses para conseguirem provar que atendem a todos os requisitos exigidos pelo programa e assim poderão voltar a receber o benefício normalmente. Em 2017, quase 1,5 milhão de famílias terão que atualizar o cadastro e a expectativa é que mais alguns milhares de beneficiados sejam cancelados a partir do próximo ano.

Publicidade
Publicidade

O Governo deu início a um pente-fino no programa desde o último mês de junho, para conseguir chegar ao resultado que está proporcionando os cancelamentos dos benefícios. A partir deste mês de novembro, os beneficiados suspensos não irão mais receber o benefício e o impacto na folha de pagamento ficará acima de R$ 1 milhão. Para os que foram bloqueados, caso realmente seja confirmada algum tipo de irregularidade e eles venham a ser suspensos, então o Governo terá uma economia de R$ 1,428 bilhão.

Osmar Terra, ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, informou que o objetivo agora é aplicar os recursos economizados na área social e parte do dinheiro servirá para fazer com que novos usuários, que realmente precisem, venham a integrar o Bolsa Família. Ainda de acordo com o ministro, a intenção do Governo não é reduzir ou acabar com o programa, inclusive foi feito um reajuste no Bolsa Família, no último mês de junho, na casa dos 12,5% e para 2017 o orçamento será maior do que foi esse ano.

Publicidade

O Governo usou informações do Cadastro Único para Programas Sociais, onde estão inscritos todos os beneficiados pelo Bolsa Família e cruzou os dados obtidos com a Relação Anual de Informações Sociais, a Rais, além dos dados obtidos com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, dados do INSS, do Sisobi e também do Siape e por fim, buscou informações também no banco de dados do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas.

Os beneficiários suspensos foi devido ao fato de terem renda acima do que foi declarado por eles. Outros, configuravam como doadores de campanha, então vão ter que se explicarem para terem o benefício de volta. #Bolsa Familia #Crise